Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização dos mecanismos moleculares envolvidos na ação analgésica da Bunodosina 391, composto obtido da peçonha da anêmona Bunodosoma cangicum

Processo: 09/08089-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 31 de outubro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Pesquisador responsável:Yara Cury
Beneficiário:Yara Cury
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Dor  Analgesia 

Resumo

As anêmonas do mar utilizam um rico complexo protéico para capturar suas presas e para se defender de predadores. A peçonha destes animais contém neurotoxinas com ação em canais iônicos específicos e hemolisinas que atuam formando poros em membranas. No entanto, pouco se conhece sobre a atividade biológica de substâncias de baixo peso molecular isoladas da peçonha destes animais.Recentemente foi demonstrado, pelo nosso grupo, que a Bunodosina 391 (BDS391), um composto de baixo peso molecular extraído da peçonha da anêmona do mar Bunodosoma cangicum, apresenta atividade antinociceptiva periférica em modelos experimentais de dor aguda e crônica. A molécula bioativa BDS391 é um composto bromado de aproximadamente 400 Da, composta de um núcleo molecular semelhante à serotonina (5-HT), conectado, por meio de uma ligação peptídica, a uma histidina. Ensaios farmacológicos mostraram que a atividade antinociceptiva da BDS391 é mediada pela ativação de receptores serotoninérgicos e pela abertura de canais de potássio. Ainda, resultados preliminares indicam o envolvimento de receptores histaminérgicos nesta ação. Apesar destes dados, não foi ainda totalmente caracterizado o tipo de receptor serotoninérgico e/ou histaminérgico envolvido na ação do composto em modelos de dor aguda e crônica. É interessante observar que o BDS391 apresenta similaridade estrutural à 5-HT e histamina, sendo esta última um derivado do aminoácido histidina, o que torna de especial interesse a detecção do efeito antinociceptivo periférico para este composto. Assim, o presente projeto de pesquisa visa ampliar a caracterização da ação do BDS391 em receptores serotoninérgicos e histaminérgicos, por meio de ensaios comportamentais, in vivo e de ensaios de "binding" e eletrofisiológicos, in vitro. Para tanto serão avaliados (a) o envolvimento dos receptores periféricos 5-HT1, 5-HT2 e 5-HT3 para serotonina e H1, H2 e H3 para histamina no efeito antinociceptivo induzido pelo BDS391 em modelos de hipernocicepção induzida por PGE2 ou em modelo de dor neuropática induzida por CCI; (b) a ação do BDS391 sobre correntes iônicas em canais 5-HT3, por meio da técnica de "patch clamp" em modelo de "whole cell"; (c) a interação do BDS391 com receptores 5-HT e histaminérgicos por meio de estudos de "binding". Os resultados obtidos nesse estudo poderão favorecer o melhor conhecimento sobre o envolvimento de aminas biogênicas e seus receptores na fisiopatologia da dor e de seu controle, bem como o desenvolvimento de novos fármacos analgésicos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FERREIRA JUNIOR, WILSON ALVES; ZAHARENKO, ANDRE JUNQUEIRA; KAZUMA, KOHEI; PICOLO, GISELE; GUTIERREZ, VANESSA PACCIARI; DE FREITAS, JOSE CARLOS; KONNO, KATSUHIRO; CURY, YARA. Peripheral 5-HT3 Receptors Are Involved in the Antinociceptive Effect of Bunodosine 391. TOXINS, v. 10, n. 1 JAN 2018. Citações Web of Science: 1.
ZAHARENKO, ANDRE J.; PICOLO, GISELE; FERREIRA, JR., WILSON A.; MURAKAMI, TAKANORI; KAZUMA, KOHEI; HASHIMOTO, MASARU; CURY, YARA; DE FREITAS, JOSE C.; SATAKE, MOTOYOSHI; KONNO, KATSUHIRO. Bunodosine 391: An Analgesic Acylamino Acid from the Venom of the Sea Anemone Bunodosoma cangicum. Journal of Natural Products, v. 74, n. 3, p. 378-382, MAR 2011. Citações Web of Science: 18.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.