Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise de genes moduladores do fenótipo da forma clássica da deficiência da 21-hidroxilase

Processo: 08/57616-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2009 - 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Tania Aparecida Sartori Sanchez Bachega
Beneficiário:Tania Aparecida Sartori Sanchez Bachega
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Doenças genéticas inatas  Síndrome adrenogenital  Transtornos do desenvolvimento sexual  Hiperplasia suprarrenal congênita  Fenótipo  Polimorfismo genético  Fatores de transcrição  Mutagênese 

Resumo

A deficiência da 21-hidroxilase (21-OHD) é uma doença autossômica recessiva que compromete a síntese de Cortisol e/ou aldosterona e é a causa mais freqüente de distúrbio da diferenciação sexual 46,XX. Apresenta uma diversidade fenotípica, a qual é decorrente de mutações no gene CYP21A2. Observa-se forte correlação do comprometimento da atividade enzimática conferida pelo genótipo com a forma de apresentação clínica e com os valores hormonais. Entretanto, esta correlação não é observada com o grau de virilização da genitália externa em mulheres. Variações individuais na sensibilidade periférica aos andrógenos poderiam ser responsáveis por esta diversidade fenotípica. A ação dos andrógenos é mediada pelo receptor de andrógenos (RA) e o seu gene codificador apresenta um trato polimórfico de repetições CAG, que altera a atividade de transativação. Em estudo anterior, observamos uma influência do trato CAG no fenótipo de virilização genital; entretanto, esta associação não ocorreu em todos os casos. Supomos que variações interindividuais no metabolismo da testosterona na vida fetal também poderiam interferir no fenótipo de virilização. O principal citocromo metabolizador de testosterona no fígado fetal é o P4503A7, seu gene (CYP3A7) possui polimorfismos que alteram a sua atividade catalítica. Outro fator genético que poderia contribuir para diferenças na metabolização da testosterona é o fator de transcrição CAR (receptor androstane constitutivo), que se liga ao elemento de resposta do promotor do CYP3A7. O seu gene (NR1I3) também é polimórfico e estes podem modular a atividade de transativação dos P4503A. Não existem dados na literatura sobre a distribuição alélica dos genes CYP3A7 e NR1I3 na população brasileira. Entretanto, a presença e a frequências de polimorfismos nos dois genes supracitados podem apresentar diferenças étnicas importantes. Objetivos: 1) Caracterizar a distribuição alélica dos genes CYP3A7 e NR1I3 na população normal brasileira e nas pacientes com a forma clássica da 21-OHD, 2) Correlacionar as variantes alélicas presentes nos genes envolvidos no metabolismo pré-natal da testosterona com o grau de virilização genital de pacientes com a forma clássica da deficiência da 21-OHD, 3) as variantes alélicas que apresentarem maior correlação com o fenótipo genital serão expressas in vitro para estudos funcionais no metabolismo da testosterona. Casuística: foram colhidas amostras de DNA de 100 mulheres normais e de 106 pacientes com 21-OHD. Metodologia: Amplificaremos as regiões promotoras e exônicas/ intrônicas dos genes CYP3A7 e NR1I3 por PCR com primers específicos, os produtos serão submetidos à reação de sequenciamento direto e submetidos à eletroforese capilar (Applied Biosystems, Foster City, CA, EUA). No estudo funcional, a mutagênese será realizada pela PCR e seqüências do DNA selvagem e mutante, inseridas no vetor pCW e expressas em E coli; subseqüentemente, as proteínas recombinantes serão submetidas a ensaios enzimáticos com testosterona a fim de se determinar as constantes cinéticas. (AU)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
KAUPERT, LAURA C.; GOMES, LARISSA G.; BRITO, VINICIUS N.; LEMOS-MARINI, SOFIA H. V.; DE MELLO, MARICILDA P.; LONGUI, CARLOS A.; KOCHI, CRISTIANE; DE CASTRO, MARGARET; GUERRA, JR., GIL; MENDONCA, BERENICE B.; BACHEGA, TANIA A. S. S. A Single Nucleotide Variant in the Promoter Region of 17 beta-HSD Type 5 Gene Influences External Genitalia Virilization in Females with 21-Hydroxylase Deficiency. Hormone Research in Paediatrics, v. 85, n. 5, p. 333-338, 2016. Citações Web of Science: 3.
KAUPERT, L. C.; LEMOS-MARINI, S. H. V.; DE MELLO, M. P.; MOREIRA, R. P.; BRITO, V. N.; JORGE, A. A. L.; LONGUI, C. A.; GUERRA, JR., G.; MENDONCA, B. B.; BACHEGA, T. A. The effect of fetal androgen metabolism-related gene variants on external genitalia virilization in congenital adrenal hyperplasia. Clinical Genetics, v. 84, n. 5, p. 482-488, NOV 2013. Citações Web of Science: 6.
GOMES, LARISSA G.; MADUREIRA, GUIOMAR; MENDONCA, BERENICE B.; BACHEGA, TANIA A. S. S. Mineralocorticoid replacement during infancy for salt wasting congenital adrenal hyperplasia due to 21-hydroxylase deficiency. Clinics, v. 68, n. 2, p. 147-151, 2013. Citações Web of Science: 2.
HAYASHI, GISELLE; FAURE, CLAUDIA; BRONDI, MARIA FERNANDA; VALLEJOS, CARLA; SOARES, DAIANA; OLIVEIRA, ERICA; BRITO, VINICIUS N.; MENDONCA, BERENICE B.; BACHEGA, TANIA A. S. S. Weight-adjusted neonatal 17OH-progesterone cutoff levels improve the efficiency of newborn screening for congenital adrenal hyperplasia. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, v. 55, n. 8, p. 632-637, NOV 2011. Citações Web of Science: 11.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.