Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência do tratamento medicamentoso (olanzapina) na atividade e expressão gênica das PLA2 e de GSK-3b em leucócitos e plaquetas de pacientes com esquizofrenia

Processo: 09/05606-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Wagner Farid Gattaz
Beneficiário:Wagner Farid Gattaz
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurociências  Esquizofrenia  Fosfolipases A2  Quinase 3 da glicogênio sintase  Olanzapina 

Resumo

O presente trabalho está inserido na linha de pesquisa intitulada "Metabolismo de fosfolípides em doenças neuropsiquiátricas" desenvolvida no Laboratório de Neurociências do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A esquizofrenia é uma desordem neuropsiquiátrica que atinge cerca de 1% da população mundial, caracterizada por distorções fundamentais e características do pensamento e da percepção e por embotamento afetivo. A consciência clara e a capacidade intelectual costumam ser mantidas, embora certos déficits cognitivos possam surgir no curso do tempo. Duas proteínas têm destaque como marcadores biológicos periféricos na esquizofrenia: a fosfolipase A2 (PLA2) e a glicogênio sintase quinase-3b (GSK-3b). A utilização das mesmas como biomarcadores é atribuída à grande influência de ambas na arquitetura e plasticidade celulares, na regulação de vias metabólicas comuns (metabolismo de fosfolípides e Wnt), fatores de transcrição e regulação de genes e sobrevivência celular. Tais aspectos tornam pertinentes as investigações a respeito da possível relação entre os níveis e atividades destas proteínas na esquizofrenia. Neste projeto, será avaliada a influência da medicação (olanzapina, 5 a 20 mg/ dia) (após 3 e 6 meses) na atividade dos biomarcadores: subtipos de PLA2 e GSK-3b total e fosforilada (GSK-3bp) em leucócitos e plaquetas de pacientes esquizofrênicos. Também será verificada a expressão gênica de PLA2 (PLA2G2A, PLA2G1B, PLA2G2D, PLA2G4A, PLA2G6, PLA2G4B, PLA2G4C) e GSK-3b. Dessa forma, amostras de sangue periférico serão coletadas e analisadas antes da medicação e após 3 e 6 meses de tratamento, nessas matrizes biológicas. Será utilizada também uma amostra de indivíduos saudáveis como grupo controle. Serão realizadas análises estatísticas (testes t-Student e ANOVA) para verificar a influência do tratamento com olanzapina nos níveis, atividades e expressão gênica destes biomarcadores. A partir dos resultados obtidos, espera-se contribuir com novos conhecimentos neurobiológicos e o estabelecimento de possíveis correlações entre as enzimas estudadas (PLA2 e GSK-3b) e a esquizofrenia, as quais poderão ser úteis no diagnóstico e/ ou no prognóstico desta patologia. (AU)