Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade e estrutura genética em Aulonemia aristulata (Döll) McClure, uma espécie de bambu com potencial fitoterápico

Processo: 10/00138-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2010 - 30 de junho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Maria Imaculada Zucchi
Beneficiário:Maria Imaculada Zucchi
Instituição-sede: Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):11/01589-2 - Desenvolvimento e caracterização de locos de microssatélites nucleares em Aulonemia aristulata (Döll) McClure, BP.TT
10/10609-4 - Desenvolvimento e caracterização de locos de microssatélites nucleares em Aulonemia aristulata (Döll) McClure, BP.TT
Assunto(s):Diversidade genética  Marcador molecular  Germoplasma vegetal  Medicamentos fitoterápicos  Bambu 

Resumo

O Brasil é o país que detém a maior parcela de biodiversidade vegetal do mundo. Embora existam cerca de 60.000 espécies de vegetais superiores catalogadas, apenas 8% foram estudadas para pesquisas de compostos bioativos e 1.100 espécies foram avaliadas em suas propriedades. Dentre as plantas com crescente destaque comercial está o bambu, que apresenta uma ampla gama de usos que vão da construção civil à indústria farmacêutica e cosmética. Estudos em espécies asiáticas já descreveram a atividade antioxidante, antifadiga, antimicrobiana, anti-hipertensiva e anti-inflamatória do extrato de bambu. O Brasil é o país com maior diversidade de espécies de bambu do Novo Mundo. Um estudo recente com Aulonemia aristulata (Döll) MacClure detectou a presença de ácidos e flavonóides com atividades de inibição da germinação e desenvolvimento de raízes. Estes flavonóides teriam também propriedades antioxidantes, que poderiam agir na prevenção de doenças como câncer, inflamação, cardiopatias, artrite e disfunção cerebral. Aulonemia aristulata é endêmica do Brasil ocorrendo nas regiões sudeste e centro-oeste, geralmente em florestas ombrófilas e estacionais e é considerada vulnerável à extinção na lista oficial de espécies ameaçadas de extinção no estado de São Paulo. Este projeto visa descrever a variabilidade genética de uma espécie nativa, ameaçada de extinção e com interesse econômico, a fim de fornecer subsídios para a conservação, preservação e manejo da mesma. Para isso, serão usados marcadores microssatélites nucleares e cloroplastidiais. Além disso, após a etapa de identificação de bioprodutos em A. aristulata, em um estudo paralelo, serão estudados genes associados à via metabólica destes compostos em busca de polimorfismos de base única associados a diferentes perfis fitoquímicos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ABREU, ALUANA G.; GROMBONE-GUARATINI, MARIA TEREZA; VAL, TALITA MOREIRA; ZUCCHI, MARIA IMACULADA. Genetic Diversity and Age Class Structure of Seedlings and Saplings after a Mast Flowering of Bamboo in the Brazilian Atlantic Forest. INTERNATIONAL JOURNAL OF PLANT SCIENCES, v. 175, n. 3, p. 319-327, MAR 1 2014. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.