Busca avançada
Ano de início
Entree

Onças da região do Vale do Ribeira e do Alto Paranapanema

Processo: 08/03099-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2009 - 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Beatriz de Mello Beisiegel
Beneficiário:Beatriz de Mello Beisiegel
Instituição-sede: Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação dos Predadores Naturais (CENAP). Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Ministério do Meio Ambiente (Brasil). Atibaia , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia animal 

Resumo

O sul do estado de São Paulo e o norte do Paraná abrigam a última grande população de onças pintadas Panthera onça da Mata Atlântica, além de importante população de onças pardas Puma concolor, mas dados concretos sobre estas espécies na região são ainda escassos, impossibilitando a tomada de decisões conservacionistas bem fundamentadas. Este projeto visa a compreender a distribuição das populações das duas espécies de onça nas Unidades de Conservação (UCs) estaduais da região do Vale do Ribeira e do Alto Paranapanema, em SP, e em algumas áreas particulares do seu entorno imediato; identificar as áreas fundamentais para a criação de corredores entre as UCs; estudar o uso da área pelas onças, sua dieta e interação com a população humana do entorno; e elaborar, em conjunto com órgãos estaduais e municipais, medidas visando à conservação das duas espécies. As densidades populacionais das duas espécies serão estimadas pelo modelo captura-marcação-recaptura, utilizando-se armadilhas fotográficas. A dieta será estudada através da identificação dos restos de presas nas amostras fecais. Os locais de conflito entre populações humanas e onças serão identificados através de entrevistas. Onças das duas espécies serão capturadas e equipadas com transmissores a fim de obter dados sobre suas áreas de uso e padrões de atividades. As fisionomias vegetais das áreas usadas por onças serão identificadas por interpretação de fotografias aéreas e por trabalhos de campo. A mesma metodologia adotada no interior das UCs será também aplicada em áreas do entorno que apresentam importância para a formação de corredores entre as UCs já existentes. (AU)