Busca avançada
Ano de início
Entree

Genes de vias de sinalização envolvidos na recapitulação da nefrogênese pelo tumor de Wilms: definição do espectro de mutações e caracterização dos aspectos regulatórios e funcionais

Processo: 10/00223-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2010 - 31 de outubro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Dirce Maria Carraro
Beneficiário:Dirce Maria Carraro
Instituição-sede: Hospital A C Camargo. Fundação Antonio Prudente (FAP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Beatriz de Camargo ; Emmanuel Dias-Neto ; Fernando Augusto Soares ; Helena Paula Brentani
Assunto(s):Genômica  Câncer infantil  Tumor de Wilms  MicroRNAs  Nefrogênese  Marcador molecular  Expressão gênica 

Resumo

Tumor de Wilms (TW), ou nefroblastoma, é um tumor sólido que representa aproximadamente 3% de todas as neoplasias pediátricas no Brasil apresentando altas taxas de cura. Aproximadamente 20% dos pacientes são refratários aos esquemas terapêuticos disponíveis, sendo a resistência quimioterápica a principal responsável pelas falhas terapêuticas e atualmente esforços estão sendo intensificados na identificação marcadores de bom e mau prognóstico que permitam reduzir ou intensificar o tratamento, respectivamente, diminuindo a morbidade dos tratamentos e aumentando as taxas de cura e sobrevida. O TW é um tumor embrionário de morfologia trifásica, originário de células primordiais que sofreram mutações espontâneas resultando em um tumor composto dos componentes: blastema, epitélio e estroma, que recapitulam o rim fetal. A caracterização dos eventos moleculares que ocorrem durante a diferenciação do rim e no TW tem se mostrado uma excelente estratégia para definir os eventos chaves que desencadeiam a formação do tumor. A definição desses eventos contribui para o conhecimento da biologia do tumor e permite a identificação de marcadores moleculares de grande potencial para diagnóstico, prognóstico e alvos terapêuticos, pois sendo evento precoce está presente na maioria das células do tumor. Aspectos moleculares da diferenciação do rim demonstram que os eventos moleculares dos estágios iniciais da nefrogênese são também recapitulados no tumor. Nosso grupo, ao se avaliar separadamente cada componente histológico em paralelo com diferentes estágios da diferenciação do rim, verificou que o componente blastematoso é o componente histológico que apresenta padrão de expressão mais similar aos primeiros estágios da nefrogênese, sugerindo que é esse é o componente que abriga os eventos moleculares mais precoces envolvidos no surgimento do tumor. Além disso, foi identificada uma assinatura composta por 25 genes associadas com o TW e rim feta, a qual estava enriquecida com genes pertencentes à via de sinalização WNT, sugerindo um papel crucial do controle de expressão dos genes dessa via para assegurar a diferenciação correta do rim e o desencadeamento do TW (Maschietto et al., 2008). Baseado nesses dados foi construído um modelo para estudar detalhadamente os genes das vias de sinalização em vários estágios da nefrogênese em camundondo e TW em humano, se arredando, dessa forma, dos problemas éticos de se trabalhar com fetos humanos (financiamento FAPESP 06/00054-0). O modelo foi baseado na construção de uma plataforma customizada de microarray, na qual os trechos imobilizados dos genes compartilham alta similaridade entre genes ortólogos humanos e de camundongos possibilitando hibridização inter-específica (cDNA de humano com RNA de camundongo) e obtenção de resultados de expressão confiáveis. Utilizando esse modelo foram mapeadas as alterações no padrão de expressão que ocorrem nas células primordiais do rim (as células do blastema metanéfrico) que dão origem às células do glomérulo e ao TW. As alterações no nível de expressão dos genes pertencentes a vias de sinalização foram mapeadas em 4 estágios da diferenciação. Para tal, uma população homogênea de células do blastema metanéfrico foi capturada a laser, dos diferentes estágios dos rins fetais, e do componente blastematoso do TW. Esse estudo identificou uma assinatura composta de 18 genes pertencentes a vias de sinalização associada ao TW e primeiros estágios da nefrogênese. A maior parte desses genes foi associada pela primeira vez com TW e pouca informação sobre a função que eles desempenham durante o desenvolvimento e na formação do tumor está disponível. Assim de forma geral, nosso objetivo nesse projeto, que envolve a participação de vários alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado, é nos aprofundar na caracterização desses genes, no contexto do TW e da nefrogênese, no que se refere ao espectro de mutações, e nos aspectos funcionais e na regulação de sua expressão. Nossa proposta (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Identificadas mutações relacionadas com o tumor de Wilms 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
TORREZAN, GIOVANA T.; FERREIRA, ELISA N.; NAKAHATA, ADRIANA M.; BARROS, BRUNA D. F.; CASTRO, MAYRA T. M.; CORREA, BRUNA R.; KREPISCHI, ANA C. V.; OLIVIERI, ELOISA H. R.; CUNHA, ISABELA W.; TABORI, URI; GRUNDY, PAUL E.; COSTA, CECILIA M. L.; DE CAMARGO, BEATRIZ; GALANTE, PEDRO A. F.; CARRARO, DIRCE M. Recurrent somatic mutation in DROSHA induces microRNA profile changes in Wilms tumour. NATURE COMMUNICATIONS, v. 5, JUN 2014. Citações Web of Science: 71.
MASCHIETTO, M.; TRAPE, A. P.; PICCOLI, F. S.; RICCA, T. I.; DIAS, A. A. M.; COUDRY, R. A.; GALANTE, P. A.; TORRES, C.; FAHHAN, L.; LOURENCO, S.; GRUNDY, P. E.; DE CAMARGO, B.; DE SOUZA, S.; NEVES, E. J.; SOARES, F. A.; BRENTANI, H.; CARRARO, D. M. Temporal blastemal cell gene expression analysis in the kidney reveals new Wnt and related signaling pathway genes to be essential for Wilms' tumor onset. CELL DEATH & DISEASE, v. 2, NOV 2011. Citações Web of Science: 17.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.