Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da participação da interleucina 6 durante o alongamento em ratos escolióticos

Resumo

A etiologia da escoliose ainda é desconhecida e algumas hipóteses atuais se baseiam em fatores de origem genética, esquelética, muscular, neuro-hormonal ou fatores biomecânicos. Neste sentido a hipótese diagnostica mais aceita se dá sob fatores de origem musculoesquelética, onde há relatos de que frente ao processo escoliótico existe hipotonia e fraqueza muscular difusa, predominante nos músculos respiratórios e paravertebrals. No intuito de conter e/ou reverter à curvatura escoliótica, a fisioterapia lança mão de vários métodos e recursos, tais como estimulação elétrica dos músculos, colete ou ainda alongamento muscular que tem apresentado maior aplicabilidade no que diz respeito ao tratamento da curvatura. De modo geral, as técnicas de alongamento são aplicadas em músculos normais ou encurtados, tendo como objetivo à melhora da flexibilidade e são classificadas como: balística ou dinâmica, estática e facilitação neuromuscular proprioceptiva, sendo que a mais utilizada é a modalidade estática por apresentar-se eficaz no intuito de aumentar as amplitudes de movimento e ser de simples execução. Alguns estudos que tiveram o alongamento estático como protocolo descreveram que os principais efeitos observados estão ligados a melhora na amplitude de movimento articular e uma possível reorganização morfofuncionais. Recentemente desenvolvi um sistema de indução de escoliose não invasivo e tenho verificado profundas alterações quimio-metabólicas com características diferenciais entre a musculatura côncava e convexa. Cabe ressaltar que após algumas avaliações surgiu a necessidade de analisar a concentração plasmatics da interteucina-6, uma vez que, as alterações de cunho histo-fisiológicas citadas indicam uma possível participação destas citocinas no controle quimio-metabólico e funcional da musculatura escoliótica. Assim, a proposta em tela visa analisar a participação da interleucina 6 (IL-6) em ratos escolióticos submetidos ao alongamento muscular (importante terapia aplicada rotineiramente na clinica), no intuito de buscar informações sobre relações entre o triunvirato: concentração de IL-6, status energético dos músculos e a eficácia da terapia de alongamento. (AU)