Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudos cromossômicos e de Sequências de DNA em anuros

Processo: 10/11300-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2010 - 30 de abril de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Shirlei Maria Recco-Pimentel
Beneficiário:Shirlei Maria Recco-Pimentel
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Daniel Pacheco Bruschi ; Stenio Eder Vittorazzi
Bolsa(s) vinculada(s):10/17505-0 - Análise citogenética de espécies dos gêneros Osteocephalus e Itapotihyla, BP.TT
Assunto(s):Marcadores genéticos  Amphibia  Citotaxonomia 

Resumo

As espécies do gênero Phyllomedusa (Hylidae; Phyllomedusinae) tem sido alvo de questionamentos taxonômicos no decorrer do histórico deste grupo. Redescrição e revalidação de espécies são constantes no gênero, no entanto, muitas delas apresentam caracteres de separação muito sutis ou de difícil reconhecimento. Além disso, as interpretações acerca dos relacionamentos intra- e interespecíficos também são questionáveis. O grupo de P. hypochondrialis, o maior dentro do gênero, além de apresentar dificuldades na sua delimitação, admite-se que nenhuma sinapomorfia pode ser atribuída para reunir as 10 espécies que atualmente estão alocadas neste grupo. O acréscimo de novos marcadores permitirá a utilização de um maior número de caracteres na construção de hipótese sobre a sistemática deste grupo. Desta forma, o sub-projeto 1 tem com o objetivo contribuir com dados citogenéticos e moleculares para o gênero Phyllomedusa, em diferentes níveis taxonômicos: (a) análise inter-populacional de P. hypochondrialis; (b) espécies do grupo de P. hypochondrialis; (c) espécies não-alocadas em nenhum grupo (P. vaillanti e P. tomopterna); (d) espécies representantes de outros grupos de Phyllomedusa (grupo de P. burmeisteri, de P. tarsius e de P. perinesos). Ainda na família Hylidae destacam-se os gêneros Osteocephalus (com 17 espécies) e Itapoihyla (com uma única espécie, a qual foi separada do gênero Osteocephalus com base em dados de filogenia molecular). Esses dois gêneros proximamente relacionados foram pouco estudados até o momento. Sabe-se que as espécies O. taurinus, O. buckleyi e O. leprieurii podem na verdade serem complexos de espécies, muitas delas crípticas, existindo, portanto a necessidade de ampliar os estudos para auxiliar na caracterização e diferenciação de possíveis novas espécies. O sub-projeto 2 tem por objetivo analisar citogeneticamente espécies e populações de Osteocephalus das regiões centroeste e norte, e Itapotihyla da região do nordeste do Brasil para verificar o nível de variação cromossômica e sua relação com possíveis mecanismos de evolução cromossômica e citotaxonomia.O outro gênero em estudo, Physalaemus, da família Leiuperidae, tem sido objeto de estudos pelo nosso grupo, por se tratar de um grupo de espécies morfologicamente muito semelhantes dificultando identificação. Apresentam também cariótipos muito semelhantes. Os cariótipos de algumas espécies do grupo de P. cuvieri já foram descritos com base em coloração com Giemsa, bandamento C e impregnação por prata. Os dados disponíveis até momento não permitem o reconhecimento dos possíveis rearranjos responsáveis pelas diferenças interespecíficas e pelas variações entre as diferentes populações de P. cuvieri, observadas em relação aos cromossomos portadores de NORs nas espécies do grupo P cuvieri. Assim, a utilização de outros marcadores citogenéticos torna-se uma alternativa importante para obtenção de novos caracteres que auxiliem a análise desse gênero. Portanto, no sub-projeto 3, pretende-se caracterizar citogeneticamente as espécies P. cicada, P kroyeri e P. erikae, pois pouco se sabe a respeito de seus caracteres cromossômicos, assim como, estudar essas também as espécies P. albonotatus, P. centralis, P. cuvieri e P. ephippifer, todas pertencentes ao grupo de P. cuvieri, analisando suas características citogenéticas e moleculares no que diz respeito ao DNAr 5S e sua forma variante satélite. (AU)

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
VITTORAZZI, STENIO EDER; LOURENCO, LUCIANA BOLSONI; SOLE, MIRCO; FARIA, RENATO GOMES; RECCO-PIMENTEL, SHIRLEI MARIA. Chromosomal analysis of Physalaemus kroyeri and Physalaemus cicada (Anura, Leptodactylidae). COMPARATIVE CYTOGENETICS, v. 10, n. 2, p. 311-323, 2016. Citações Web of Science: 0.
VITTORAZZI, STENIO EDER; LOURENCO, LUCIANA BOLSONI; RECCO-PIMENTEL, SHIRLEI MARIA. Long-time evolution and highly dynamic satellite DNA in leptodactylid and hylodid frogs. BMC GENETICS, v. 15, OCT 15 2014. Citações Web of Science: 14.
BRUSCHI, DANIEL P.; LUCAS, ELAINE M.; GARCIA, PAULO C. A.; RECCO-PIMENTEL, SHIRLEI M. Molecular and Morphological Evidence Reveals a New Species in the Phyllomedusa hypochondrialis Group (Hylidae, Phyllomedusinae) from the Atlantic Forest of the Highlands of Southern Brazil. PLoS One, v. 9, n. 8 AUG 20 2014. Citações Web of Science: 9.
BRUSCHI, DANIEL PACHECO; RIVERA, MIRYAN; LIMA, ALBERTINA PIMENTEL; ZUNIGA, AILIN BLASCO; RECCO-PIMENTEL, SHIRLEI MARIA. Interstitial Telomeric Sequences (ITS) and major rDNA mapping reveal insights into the karyotypical evolution of Neotropical leaf frogs species (Phyllomedusa, Hylidae, Anura). MOLECULAR CYTOGENETICS, v. 7, MAR 6 2014. Citações Web of Science: 13.
BRUSCHI, DANIEL PACHECO; BUSIN, CARMEN SILVIA; TOLEDO, LUIS FELIPE; VASCONCELLOS, GILDA ANDRADE; STRUSSMANN, CHRISTINE; WEBER, LUIZ NORBERTO; LIMA, ALBERTINA PIMENTEL; LIMA, JUCIVALDO DIAS; RECCO-PIMENTEL, SHIRLEI MARIA. Evaluation of the taxonomic status of populations assigned to Phyllomedusa hypochondrialis (Anura, Hylidae, Phyllomedusinae) based on molecular, chromosomal, and morphological approach. BMC GENETICS, v. 14, AUG 12 2013. Citações Web of Science: 15.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.