Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da adição de SP-A ao surfactante porcino no tratamento da síndrome de aspiração de mecônio em coelhos recém-nascidos

Processo: 10/11151-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2010 - 30 de junho de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:João Cesar Lyra
Beneficiário:João Cesar Lyra
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados:Celso Moura Rebello ; Cilmery Suemi Kurokawa ; Ligia Maria Suppo de Souza Rugolo ; Saskia Maria Wiegerinck Fekete
Assunto(s):Nascimento prematuro  Recém-nascido  Síndrome de aspiração de mecônio  Estresse oxidativo  Surfactantes pulmonares 

Resumo

Introdução: A reposição do surfactante exógeno é prática rotineira nas unidades de cuidados intensivos neonatais para o tratamento de prematuros com síndrome do desconforto respiratório, doença que apresenta deficiência primária de surfactante pulmonar. As pesquisas com surfactantes evoluíram ao longo dos anos e hoje, com uma melhor compreensão de seus processos metabólicos e de sua função, estuda-se uma potencial ampliação do seu espectro de uso em outras doenças caracterizadas pela disfunção ou inativação do surfactante endógeno. Em doenças como a síndrome de aspiração de mecônio ocorre deficiência qualitativa da atividade do surfactante, causada pela ação de substâncias inibidoras presentes no alvéolo. Apesar das evidentes modificações no sistema surfactante que ocorre nessas doenças e os promissores resultados da terapia de reposição de surfactante exógeno em estudos experimentais, esse tratamento em humanos tem sido objeto de discussão, pois os ensaios clínicos são escassos e demonstram resultados ainda conflitantes. Isso acontece, dentre outros motivos, devido à inativação do surfactante exógeno. Os produtos comercialmente disponíveis possuem baixa concentração de proteínas e ausência de chamada SP-A (proteína A do surfactante), que desempenha papel fundamental na proteção do surfactante contra agentes inibidores. Dessa forma há grande interesse no desenvolvimento de um surfactante que mantenha suas características de diminuição da tensão superficial alveolar, mas que seja mais resistente à inativação. Isso nos motivou ao planejamento desse estudo, cuja hipótese é de que a adição de SP-A melhora a função do surfactante de origem porcina em modelo experimental de SAM.Objetivos: Avaliar os efeitos da adição de SP-A ao surfactante porcino sobre função pulmonar, através da medida da complacência pulmonar dinâmica, da pressão ventilatória necessária para se manter um volume corrente pré determinado de 8 ml/kg; e sobre a produção de metabólitos do estresse oxidativo pelo tecido pulmonar. Comparar, in vitro, os valores de tensão superficial mínima em soluções de surfactante puro e surfactante adicionado de SP-A, na presença de mecônio. Material e métodos: Mecônio proveniente de recém-nascidos humanos saudáveis (65 mg/ml, 6 ml/kg) será administrado através de traqueostomia a coelhos recém-nascidos de termo, nascidos por cesariana aos 30 dias de gestação. Os animais serão conectados a um sistema de ventilador-pletismógrafo e ventilados por um período de 30 minutos. Os dados de complacência pulmonar dinâmica, pressão ventilatória e volume corrente serão registrados a cada 5 minutos. Após 10 minutos de ventilação os animais serão randomizados em 4 grupos de estudo de acordo com o tipo de tratamento a ser feito: Mecônio (sem tratamento com surfactante), Surfactante (tratamento com surfactante - 100 mg/kg) e SP-A (tratamento com surfactante - 100 mg/kg com adição de SP-A a 5 %). O quarto grupo de estudo (controle) será formado por animais sem indução da doença e sem tratamento. O surfactante utilizado nesse estudo é produzido pelo Instituto Butantan (São Paulo). Após o sacrifício dos animais será realizada uma curva pressão-volume, para determinação dos volumes pulmonares e a análise histológica dos pulmões será feita através do cálculo do diâmetro alveolar médio (LM) e do índice de distorção (ID) do parênquima pulmonar. Os efeitos do estresse oxidativo serão avaliados através da determinação dos Tbars e do óxido nítrico em amostras de tecido pulmonar. Para as medidas da tensão superficial mínima nas diferentes soluções será utilizada a balança de Wilhelmy. A análise estatística será feita por "ANOVA One Way", com nível de significância de 0,05. (AU)