Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da utilização do Osteoscaf® como material para enxerto em seio maxilar de coelhos

Processo: 10/10243-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2010 - 30 de setembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Cirurgia Buco-maxilo-facial
Pesquisador responsável:Osny Ferreira Júnior
Beneficiário:Osny Ferreira Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Pesq. associados:Camila Lopes Cardoso ; Gustavo Pompermaier Garlet
Assunto(s):Enxerto ósseo  Biomateriais  Levantamento do assoalho do seio maxilar  Transplante autólogo  Substitutos ósseos 

Resumo

Atualmente, as cirurgias reconstrutivas são realizadas, rotineiramente, como recurso para corrigir pequenos ou grandes defeitos ósseos previamente à instalação de implantes. Sabe-se que o enxerto ósseo autógeno é o melhor para o preenchimento dos defeitos ósseos, pois apresenta as características consideradas ideais: osteogênese, osteoindução e osteocondução. Entretanto, apresenta limitações como: necessidade de mais intervenções cirúrgicas, morbidade do local doador, além da limitação na quantidade. Diante dessas limitações, estudos são realizados no intuito de obter um material para enxertos com propriedades osteogênica e biomecânica próximas às ideais. O Osteoscaf® é uma matriz tridimensional com porosidade similar ao osso trabecular humano, totalmente reabsorvível formado pela união do ácido polilático-co-glicólico (APLG) com duas fases de fosfato de cálcio (CaP). Têm mostrado crescimento ósseo tanto in vitro como in vivo e oferece grande potencial para aplicação em bioengenharia. Alguns estudos em animais revelaram biocompatibilidade, osteoindução e osteocondução. O objetivo deste trabalho é avaliar a neoformação óssea em cirurgias de levantamento de seio maxilar em coelhos utilizando enxertos com Osteoscaf® na forma granulada e comparar com enxertos utilizando osso autógeno removido da crista ilíaca, Bio-Oss® e BoneCeramic®. Serão utilizados 66 coelhos albinos adultos, divididos em 4 grupos experimentais analisados 2, 4 e 8 semanas após a cirurgia de enxerto. Todos os espécimes serão avaliados qualitativa e quantitativamente através de tomografia computadorizada. Seis espécimes por grupo, em cada período, serão analisados por microscopia óptica convencional e 3 espécimes, por grupo, serão avaliados por microscopia confocal de fluorescência através da marcação prévia com fluorocromos (tetraciclina, alizarina e calceína). Além disso, será feita a análise quantitativa da expressão de genes envolvidos no processo de reparo ósseo [colágeno tipo I, VEGF, osteocalcina (OCN), fosfatase alcalina (ALP) e CBFA-1] em 2 espécimes de cada grupo por RealTimePCR, correlacionando sua expressão com as características histológicas observadas. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CAMILA L CARDOSO; CLÁUDIA CURRA; PÂMELA L SANTOS; MARIA F.M RODRIGUES; OSNY FERREIRA-JÚNIOR; PAULO S.P DE CARVALHO. Current considerations on bone substitutes in maxillary sinus lifting. Rev. Clin. Periodoncia Implantol. Rehabil. Oral, v. 9, n. 2, p. -, Ago. 2016.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.