Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do papel da relaxina sobre passos iniciais e tardios da espermatogênese, em modelo de co-cultura de células germinativas e de Sertoli

Processo: 10/10274-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2010 - 30 de setembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Pesquisador responsável:Maria de Fátima Magalhães Lazari
Beneficiário:Maria de Fátima Magalhães Lazari
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Catarina Segreti Porto
Assunto(s):Testículo  Células de Sertoli  Espermatogênese  Expressão gênica  Relaxina 

Resumo

Relaxina pertence à família de hormônios peptídicos semelhantes à insulina e interage com um receptor acoplado a proteína G, denominado RXFP1. Em machos, a deleção do gene que codifica relaxina resulta em infertilidade, e estudos anteriores de nosso laboratório revelaram que relaxina e RXFP1 estão co-localizados em células de Sertoli, RXFP1 está presente em células da linhagem germinativa e relaxina promove a proliferação das células de Sertoli, por um mecanismo que parece envolver ativação de ERK1/2. Esses dados sugerem que relaxina pode desempenhar um papel autócrino e/ou parácrino para regular a espermatogênese. O objetivo da presente etapa é aprofundar esses estudos, avaliando o papel do hormônio em estágios iniciais e tardios da espermatogênese. Para isso, utilizaremos um modelo de co-cultura de células de Sertoli e germinativas provenientes de ratos em diferentes fases do desenvolvimento, onde serão avaliados: a) efeito da relaxina sobre a proliferação e diferenciação de gonócitos e espermatogônias, diferenciação de espermátides redondas a espermatozóides, utilizando marcadores específicos de proliferação e diferenciação, em técnicas de citometria de fluxo, PCR em tempo real, Western blot e imunofluorescência; b) efeito do silenciamento de receptores de relaxina sobre esses parâmetros; b) efeito de relaxina sobre o fator de transcrição CREMt, importante para a diferenciação de espermátides redondas, por ensaios de imunoprecipitação de cromatina; c) efeito da relaxina sobre a produção, pelas células de Sertoli, de fatores importantes para a espermatogênese, como c-kit, GDNF e caderinas, por RT-PCR em tempo real, Western blot e immunofluorescência. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
NASCIMENTO, ALINE R.; MACHERONI, CARLA; LUCAS, THAIS F. G.; PORTO, CATARINA S.; LAZARI, MARIA F. M. Crosstalk between FSH and relaxin at the end of the proliferative stage of rat Sertoli cells. Reproduction, v. 152, n. 6, p. 613-628, DEC 2016. Citações Web of Science: 5.
PIMENTA, M. T.; FRANCISCO, R. A. R.; SILVA, R. P.; PORTO, C. S.; LAZARI, M. F. M. Relaxin affects cell organization and early and late stages of spermatogenesis in a coculture of rat testicular cells. ANDROLOGY, v. 3, n. 4, p. 772-786, JUL 2015. Citações Web of Science: 3.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.