Busca avançada
Ano de início
Entree

Estrogênios ambientais em águas residuárias: analise dos efeitos biológicos, da distribuição dos compostos e desenvolvimento de estratégias de remoção

Processo: 10/50653-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2011 - 31 de agosto de 2013
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Convênio/Acordo: FINEP - CT - Infra
Pesquisador responsável:Marcelo Antunes Nolasco
Beneficiário:Marcelo Antunes Nolasco
Instituição-sede: Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/14119-7 - Estrogênios ambientais em águas residuárias: análise dos efeitos biológicos, da distribuição dos compostos e desenvolvimento de estratégias de remoção., BP.TT
12/03545-5 - Estrogênios ambientais em águas residuárias: análise dos efeitos biológicos, da distribuição dos compostos e desenvolvimento de estratégias de remoção., BP.TT
11/05682-7 - Estrogênios ambientais em águas residuárias: análise dos efeitos biológicos, da distribuição dos compostos e desenvolvimento de estratégias de remoção., BP.TT
11/02019-5 - Estrogênios ambientais em águas residuárias: análise dos efeitos biológicos, da distribuição dos compostos e desenvolvimento de estratégias de remoção., BP.TT
Assunto(s):Tratamento de águas residuárias  Poluição da água  Tratamento de esgotos sanitários 

Resumo

O processo crescente de urbanização tem levado ao aumento da população em áreas urbanas, e os impactos ambientais associados ocorrem a uma velocidade sem precedentes na história. Dentre esses impactos, destacam-se os das águas residuárias municipais, que coletam e transportam grande parte dos subprodutos desta urbanização intensa. Estratégias de saúde pública de tratamento dessas águas proporcionam redução de mortalidade, de doenças de veiculação hídrica e aumento da qualidade de vida. Entretanto, o desenvolvimento tecnológico permitiu o surgimento de novas substâncias cujo destino provável é o recurso hídrico. Dentre esses compostos emergentes destacam-se os estrogênios ambientais, que são moléculas que atuam no sistema endócrino, afetando o desenvolvimento embrionário, o tecido cerebral e cardiovascular, mesmo quando em concentrações muito baixas. Embora os efeitos destes compostos sejam relativamente bem estudados em outros países, não há trabalhos descrevendo a situação nacional. Neste projeto de pesquisa propõem-se investigar a distribuição destes compostos em Estações de Tratamento de Esgoto de São Paulo, seus efeitos no comportamento cerebral e distribuição de receptores de estrógeno (ER) e os fenótipos fisiológicos e celulares no tecido cardiovascular de animais-modelo. Além disso, pretende-se utilizar os ensaios em animais para determinar o grau de contaminação dessas águas, as quais serão submetidas a três estratégias de tratamento: carvão ativado, leveduras apresentando o domínio de ligação ao estradiol (LBD) do ER e esferas de agarose cobertas com LBD expresso em bactérias. Espera-se que os resultados deste trabalho possam responder com recomendações de tratamento específico das águas residuárias bem como quantificar os efeitos das concentrações disponíveis dessas moléculas na fisiologia animal. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ANDERSSON, KIM; OTOO, MIRIAM; NOLASCO, MARCELO. Innovative sanitation approaches could address multiple development challenges. WATER SCIENCE AND TECHNOLOGY, v. 77, n. 4, p. 855-858, FEB 2018. Citações Web of Science: 7.
CHRISPIM, MARIANA C.; TARPEH, WILLIAM A.; SALINAS, DELHI T. P.; NOLASCO, MARCELO A. The sanitation and urban agriculture nexus: urine collection and application as fertilizer in Sao Paulo, Brazil. JOURNAL OF WATER SANITATION AND HYGIENE FOR DEVELOPMENT, v. 7, n. 3, p. 455-465, SEP 2017. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.