Busca avançada
Ano de início
Entree

Fluxo gênico contemporâneo, sistema de cruzamento e distribuição espacial de genótipos em população fragmentada de jequitibá-rosa (Cariniana legalis Mart. Kuntze) por marcadores microssatélites e análise de parentesco

Resumo

O jequitibá-rosa (Cariniana legalis Mart. O. Kuntze), símbolo florestal do estado de São Paulo, é uma das maiores árvores da Floresta Atlântica. A espécie é endêmica do Brasil e ocorre em baixa densidade populacional (< 1 árvore/ha). Contudo, a Floresta Atlântica foi intensamente fragmentada nos últimos séculos, restando hoje entre 11 a 16% da floresta original. A fragmentação florestal isola e reduz o tamanho das populações e, consequentemente, afeta o fluxo gênico entre populações e pode aumentar a taxa de autofecundação, taxa de cruzamentos correlacionados, estrutura genética espacial intrapopulacional e o parentesco e endogamia nas gerações descendentes. Devido a isso, estudos dos efeitos da fragmentação sobre o fluxo de pólen e sementes entre populações, sistema de reprodução e estrutura genética espacial são fundamentais para entender os efeitos da fragmentação e delinear estratégias para a conservação in situ e ex situ da espécie. Marcadores microssatélites, por seu alto grau de polimorfismo, em termos de número de alelos, são excelentes para tais estudos. Nesse contexto, pretende-se neste estudo investigar o fluxo gênico contemporâneo via pólen e sementes, o sistema de reprodução e a estrutura genética espacial de uma pequena população fragmentada de C. legalis, localizada na Estação Ecológica de Ibicatú-SP. Para fazer isso, todas as árvores adultas e aproximadamente 300 regenerantes serão mapeadas, medidos (diâmetro e altura), coletadas amostras foliares e genotipados para oito locos microssatélites. Também serão coletadas 600 sementes de polinização aberta de 12 árvores matrizes. Este estudo vai gerar informações valiosas para o manejo das populações fragmentadas da espécie, contribuindo em programas de melhoramento e conservação genética para recuperação ambiental. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:

Publicações científicas (5)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
TAMBARUSSI, EVANDRO VAGNER; BOSHIER, DAVID; VENCOVSKY, ROLAND; MENEZES FREITAS, MIGUEL LUIZ; SEBBENN, ALEXANDRE MAGNO. Inbreeding depression from selfing and mating between relatives in the Neotropical tree Cariniana legalis Mart. Kuntze. CONSERVATION GENETICS, v. 18, n. 1, p. 225-234, FEB 2017. Citações Web of Science: 14.
TAMBARUSSI, E. V.; BOSHIER, D. H.; VENCOVSKY, R.; FREITAS, M. L. M.; DI-DIO, O. J.; SEBBENN, A. M. Several small: how inbreeding affects conservation of Cariniana legalis Mart. Kuntze (Lecythidaceae) the Brazilian Atlantic Forest's largest tree. INTERNATIONAL FORESTRY REVIEW, v. 18, n. 4, p. 502-510, 2016. Citações Web of Science: 8.
TAMBARUSSI, EVANDRO V.; BOSHIER, DAVID; VENCOVSKY, ROLAND; FREITAS, MIGUEL L. M.; SEBBENN, ALEXANDRE M. Paternity analysis reveals significant isolation and near neighbor pollen dispersal in small Cariniana legalis Mart. Kuntze populations in the Brazilian Atlantic Forest. ECOLOGY AND EVOLUTION, v. 5, n. 23, p. 5588-5600, DEC 2015. Citações Web of Science: 9.
TAMBARUSSI, EVANDRO VAGNER; SEBBENN, ALEXANDRE MAGNO; MORENO, MARIA ANDREIA; FERRAZ, ELZA MARTINS; KAGEYAMA, PAULO YOSHIO; VENCOVSKY, ROLAND. MICROSATELLITE MARKERS FOR CARINIANA LEGALIS (LECYTHIDACEAE) AND THEIR TRANSFERABILITY TO C. ESTRELLENSIS. APPLICATIONS IN PLANT SCIENCES, v. 1, n. 6 JUN 2013. Citações Web of Science: 8.
TAMBARUSSI, E. V.; VENCOVSKY, R.; FREITAS, M. L. M.; SEBBENN, A. M. Mendelian inheritance, genetic linkage, and genotypic disequilibrium at nine microsatellite loci of Cariniana legalis (Mart.) O. Kuntze. Genetics and Molecular Research, v. 12, n. 4, p. 5442-5457, 2013. Citações Web of Science: 8.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.