Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização bioquímica e farmacológica de uma toxina isoladas do veneno do escorpião Tityus serrulatus

Processo: 09/54711-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2010 - 30 de abril de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Valquiria Abrão Coronado Dorce
Beneficiário:Valquiria Abrão Coronado Dorce
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Venenos de origem animal  Escorpiões  Toxicidade  Neurotoxinas 

Resumo

O veneno dos escorpiões é constituído principalmente por toxinas, polipeptídios de baixo peso molecular com atividade neurotóxica. Em geral atribui-se o efeito do veneno escorpiônico à ação periférica de suas toxinas liberando mediadores como adrenalina, noradrenalina e acetilcolina. Entretanto, apesar dos poucos trabalhos que descrevem esta ação, sabe-se que os venenos agem também sobre o sistema nervoso central promovendo alteração na liberação de mediadores químicos. No presente trabalho nos propomos a investigar a toxina IV-IV isolada a partir do veneno do escorpião Tityus serrulatus, ainda não estudada em relação a seus efeitos no sistema nervoso central (SNC). Sabe-se que esta toxina é eluida muito próximo ao pico de eluição da toxina TsTX, também proveniente do mesmo veneno e muito bem caracterizada como tendo um potente efeito convulsivante e excitotóxico. Serão realizados o seqüenciamento do N-terminal e a determinação da massa molecular da toxina para comparação com a TsTX, assim como o registro da atividade elétrica cerebral e observação comportamental após injeção intracerebral em ratos, precedida ou não da injeção de antagonistas de receptores de glutamato. A análise histológica do hipocampo servirá para verificar possíveis lesões cerebrais. O presente trabalho visa estudar o efeito central de uma toxina ainda não caracterizada, além de elucidar se esta toxina tem potencial como ferramenta farmacológica útil para o estudo do funcionamento dos canais iônicos, da epileptogênese e dos processos de liberação de neurotransmissores no sistema nervoso central, principalmente no hipocampo. (AU)