Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da suscetibilidade genética ao câncer de cólon e reto

Processo: 10/51834-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2010 - 30 de novembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Silvia Regina Rogatto
Beneficiário:Silvia Regina Rogatto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):11/06666-5 - Estudo da suscetibilidade genética ao câncer de cólon e reto, BP.TT
Assunto(s):Técnicas de genotipagem  Suscetibilidade  SNP  Neoplasias colorretais 

Resumo

O câncer de cólon e reto (CCR) é a quarta neoplasia maligna mais comum e a quarta causa de morte por câncer em todo o mundo. Sua incidência é maior nos países industrializados, onde o risco aproximado durante a vida é de 5%. No Brasil, o CCR tem a quinta maior incidência e mortalidade, as quais vêm aumentando anualmente. Ambos os fatores, genéticos e ambientais, contribuem com a etiologia da doença, e a história familial representa cerca de um terço dos casos. Em cerca de 6% dos pacientes a suscetibilidade deve-se a mutações de alta penetrância em genes supressores tumorais e de reparo de mau pareamento. Recentemente, estudos de associação de larga escala genômica vêm demonstrando que parte do risco genético se deva a variantes comuns de baixa penetrância, como os polimorfismos de nucleotídeos únicos (SNPs). Até o momento foram identificados somente dez SNPs de risco em populações européias. Assim, estudos de populações heterogêneas como a latino-americana, entre as quais a brasileira, pode oferecer uma oportunidade para identificar novas variantes de risco de CCR, assim como replicar os resultados dos estudos europeus. Por isso, os objetivos do presente estudo são: (1) identificar os SNPs associados ao CCR descritos em populações européias em indivíduos da população brasileira; (2) analisar o tamanho do efeito dos genótipos quanto ao risco de CCR; (3) calcular as freqüências dos alelos de risco; (4) correlacionar os alelos de risco com as características clinico-patológicas e história familial. Serão selecionados 350 casos e 350 controles do Hospital A.C.Camargo cujas amostras de sangue serão coletadas para extração do DNA genômico. Serão genotipados dez SNPs pela técnica de PCR em tempo real com ensaios TaqMan® e os genótipos gerados serão analisados por software específico. A análise de associação genética utilizará o método simples genotípico e alélico e a análise estatística usará modelos de regressão logística com o nível de significância corrigido pelo método de Bonferroni. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital A.C.Camargo (n°1231/09). (AU)