Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da frequência dos polimorfismos dos genes er‘ e er’ como fator de risco para a infertilidade masculina idiopática

Processo: 10/12568-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2010 - 30 de novembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Caio Parente Barbosa
Beneficiário:Caio Parente Barbosa
Instituição-sede: Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Organização Social de Saúde. Fundação do ABC. Santo André , SP, Brasil
Pesq. associados:Bianca Alves Vieira Bianco ; Denise Maria Christofolini
Assunto(s):Infertilidade masculina  Reprodução humana  Polimorfismo genético 

Resumo

Cerca de 15% das causas de infertilidade masculina são genéticas e incluem aberrações cromossômicas e mutações gênicas. Os estrogênios são reguladores essenciais da fertilidade em homens e mulheres e agem em células-alvo como as do trato reprodutivo, gônadas, tecido mamário e hipotálamo. Além disso, os estrogênios podem induzir danos oxidativos ao DNA que podem contribuir para os defeitos na reprodução masculina. Embora os modelos humanos e animais evidenciem uma associação entre a insuficiência de estrogênio e a espermatogênese anormal, pouca atenção tem sido dada ao papel das mutações ou polimorfismos no gene receptor de estrogênio (ER) na infertilidade masculina.As respostas fisiológicas de estrogênios são conhecidas por serem mediadas por pelo menos duas isoformas funcionais do ER: ER± ou ERS1 e ER² ou ESR2, codificada por dois genes diferentes em cromossomos diferentes, 6q25 e 14q23-24, respectivamente. O papel fisiológico dos estrogênios na espermatogênese não está claramente definido, embora modelos knockout para o gene ER± tenham mostrado uma diminuição na espermatogênese. A ausência do gene ER± em ratos do sexo masculino resultou na espermatogênese gravemente danificada devido a diminuição do conteúdo de espermatozóides no epidídimo, da motilidade espermática e da capacidade de fertilização.Em ratos, Pelletier et al (2000) encontraram expressão do gene ER± nas células de Leydig, assim como nos espermatócitos e espermátides, enquanto ER² foi detectado apenas nas células de Sertoli. Em testículos humanos, a expressão dos gene ER± e ER² foi encontrada nos espermatozóides do ejaculado, nos espermatócitos no início da meiose e em células germinativas imaturas. Esses dados indicaram um possível efeito direto dos receptores de estrogênios nas células germinativas masculinas.Um screening genético dos genes ER± e ER² revelaram a existência de muitos polimorfismos nesses genes. Mudanças na seqüência do gene, como os polimorfismos, podem ocorrer na região não-codificante do gene (íntrons) afetando, por exemplo, o grau de expressão do gene, e assim os níveis da proteína ou ainda em regiões codificantes (éxons) e levar a mudanças na seqüência da proteína. A descoberta de que ER² é expresso em vários tipos de células masculinas renovou o interesse do papel dos estrogênios na modulação da função das células no sistema reprodutivo masculino. Em humanos e roedores, ER² foi localizado por imunohistoquímica em núcleos de células epiteliais e estromais em todo o sistema reprodutor masculino (ductos ejaculatórios, epidídimo, canal deferente, vesículas seminais e próstata) e na bexiga. Safarinejad et al (2010) investigaram os polimorfismos dos genes ER± e ER² em 164 homens iranianos com infertilidade idiopática e 164 controles saudáveis por PCR-RFLP (Polymerase Chain Reaction - Restriction Fragment of Lenght Polymorphism). Os autores encontraram associação entre os polimorfismos PvuII e XbaI do gene ER± e RsaI e AluI do gene ER² e a infertilidade masculina na população estudada. No entanto, sugerem que o estudo seja replicado para melhor elucidação do papel desses polimorfismos na infertilidade masculina idiopática.Dessa forma, nós hipotetizamos que polimorfismos nos genes ER± e ER² podem estar associados à infertilidade masculina. Ainda existem poucos relatos associando os polimorfismos desses genes na infertilidade masculina e não há estudos na população Brasileira. Sendo assim, o objetivo do presente estudo é investigar a freqüência dos polimorfismos PvuII (T-397C) e XbaI (A-351G) do gene ER± e Alu (A+1730G) e RsaI (G1082A) do gene ER² em homens com infertilidade idiopática e indivíduos do grupo controle com o intuito de correlacionar tais polimorfismos à infertilidade masculina, além de realizar análise de haplótipo, correlacionando os achados conjuntos dos polimorfismos dos genes ER± e ER² com a infertilidade masculina. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BIANCO, BIANCA; PELUSO, CARLA; GAVA, MARCELLO MACHADO; GHIRELLI-FILHO, MILTON; NUNES LIPAY, MONICA VANNUCCI; LIPAY, MARCO AURELIO; CHRISTOFOLINI, DENISE MARIA; BARBOSA, CAIO PARENTE. Polymorphisms of Estrogen Receptors Alpha and Beta in Idiopathic, Infertile Brazilian Men: A Case-Control Study. Molecular Reproduction and Development, v. 78, n. 9, p. 665-672, SEP 2011. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.