Busca avançada
Ano de início
Entree

Saúde mental na atenção básica: as ações dos agentes comunitários de saúde

Processo: 10/16354-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2010 - 30 de novembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Psiquiátrica
Pesquisador responsável:Sônia Barros
Beneficiário:Sônia Barros
Instituição-sede: Escola de Enfermagem (EE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Luciana de Almeida Colvero ; Márcia Aparecida Ferreira de Oliveira
Assunto(s):Saúde mental  Atenção primária à saúde  Estratégia saúde da família  Reforma psiquiátrica 

Resumo

A proposta de Reforma Psiquiátrica vem modificando a assistência ao portador de transtorno mental nas últimas décadas. Com a desinstitucionalização do doente mental emergem novos paradigmas que trazem novos desafios aos atores sociais envolvidos, na construção da cidadania e na busca da reabilitação psicossocial. Surgem novos conceitos do processo saúde-doença, novas redes de assistência, alocação de recurso, como também a implantação de CAPS e diretrizes do Ministério da Saúde determinando que as ações no campo da saúde mental, sejam realizadas na rede básica de saúde, ou seja, Unidade Básica de Saúde e Unidade da Estratégia da Saúde da Família (ESF). O ESF passa a ser uma importante estratégia ao cuidado das doenças, assim como na recuperação, promoção e prevenção tanto das doenças físicas como mentais. Este trabalho tem como finalidade compreender como se desenvolve a atenção às pessoas com transtornos mentais e seus familiares pelas equipes do ESF, na comunidade, na perspectiva de fornecer subsídios, que contribuam para a qualificação das ações de saúde mental das equipes e, para o ensino de enfermagem em saúde mental. Entendemos que o trabalho qualitativo possa dar maior sustentação ao fenômeno social, que neste caso refere-se às ações dos ACS na atenção às pessoas com doença mental; o desenvolvimento deste trabalho será orientado pela abordagem dialélica, que possibilita investigar e analisar a realidade objetiva historicamente. A dialética é responsável por introduzir na realidade algo que contesta o permanente e o mutável, por meio dos princípios do conflito e da contradição. O conceito de representação social, fundamentado na dialética, o senso comum, possibilitará compreender concepções e ações de saúde /doença mental dos ACS no desenvolvimento da assistência domiciliar às pessoas com transtornos mentais. Nesta compreensão definimos a ideologia como categoria analítica. Para Marx, ideologia é um conceito pejorativo, um conceito crítico que implica em ilusão, ou se refere à consciência deformada da realidade que se exerce através da ideologia dominante: as idéias das classes dominantes são as ideologias dominantes da sociedade. A ideologia determina uma prática que serve para criar, ou manter, relações assimétricas, desiguais, injustas e que leva as pessoas, no caso do nosso estudo, os ACS, a reproduzirem o que se chama de "relação de dominação". O presente estudo será realizado na Unidade Básica de Saúde denominada de Unidade Conjunto Guaiapó/Requião, no município de Maringá, que tinha uma população estimada em 335.511 habitantes. Esta é uma das unidades onde os alunos realizam estágio da disciplina de Saúde Mental e Enfermagem psiquiátrica, do Departamento de Enfermagem, do Centro de Ciências da Saúde da UEM. A mesma investigação será reproduzida na Unidade Básica de Saúde Manoel Joaquim Pêra que responde a Secretaria Municipal de Saúde do município de São Paulo (SMS/SP). A unidade está situada no Distrito Administrativo (DA) de Pinheiros, cuja população é estimada em 62.000 habitantes.. Nesta unidade, docentes do núcleo temático de saúde mental da EE-USP iniciaram ações de saúde mental na Atenção Básica,em 2006, a partir da aproximação de uma docente nas atividades das ESF e depois desenvolvendo o ensino de graduação. A população deste estudo será composta por 03 equipes da ESF da Unidade Básica de Saúde do Município de Maringá e 04 equipes da unidade do Pêra, do município de São Paulo. Serão realizadas entrevistas abertas, semi-estruturadas, devido ao interesse em compreender as especificidades culturais do grupo estudado. O projeto será submetido à apreciação do Comitê de Ética em Pesquisa da EE- USP e da SMS/SP. Será solicitada autorização a Autoridade Sanitária local e as equipes serão esclarecidas sobre o objetivo da pesquisa e após será lido o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O material será analisado por meio da Análise do Discurso de acordo com a proposta de Fiorin e Savioli. (AU)