Busca avançada
Ano de início
Entree

Prole de ratas diabéticas e a origem da hipertensão: descrição de novo modelo de hipertensão arterial similaridades com modelos SHR e Dahl sensível a sal

Processo: 10/17782-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2011 - 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Frida Zaladek Gil
Beneficiário:Frida Zaladek Gil
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Aparecida Emiko Hirata ; Maria Do Carmo Pinho Franco ; Niels Olsen Saraiva Câmara
Assunto(s):Nefrologia  Nefropatias  Doença crônica  Diabetes gestacional  Óxido nítrico 

Resumo

O conceito de programação fetal de doenças adultas, embasado em modelos animais, propõe que modificações no ambiente ao qual o feto se encontra promove alterações no desenvolvimento, as quais podem levar a doenças na idade adulta 1,2. Manipulação nutricional fetal e perinatal, hipóxia materna, ligação da artéria uterina e administração exógena de glicocorticóide a um animal gestante dão origem a proles com pressão arterial elevada e disfunção endotelial, bem como resistência insulínica e intolerância a glicose . Estudos anteriores realizados pelo grupo de Fisiologia Renal e Termometabologia da UNIFESP indicaram que a partir do terceiro mês de vida já havia alterações nos rins de ratos, filhos de mães diabéticas ou com restrição nutricional, compatíveis com decréscimo da função renal, o qual se torna maior conforme o avanço da idade. Hipertensão de aparecimento precoce (a partir do 2º mês) também foi demonstrada em ambos modelos. A hipertensão era sensível a ação da L -arginina, relacionando este modelo a outros nos quais o estresse oxidativo está deflagrado, sendo uma das caudas da hipertensão. Na prole de mães diabéticas o número de nefros estava preservado ao nascimento até os 6 meses de vida. Este presente projeto estudará estes modelos sob uma ótica distinta da já estudada. Pretendemos observar o possível papel de fatores inflamatórios sobre função renal e sobre o desencadeamento de hipertensão nestas proles oriundas de mães diabéticas. De forma inovadora, nós intencionamos estudar as adipocinas e a contribuição desta inflamação para o desenvolvimento da perda de néfrons (fibrose renal), via estabelecimento da transição epitélio-mesenquimal. Finalmente, animais serão tratados com L-arginina para se investigar se o processo inflamatório pode ser revertido, com diminuição de fibrose, melhora da hipertensão e conseqüente da função renal. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CORREA-COSTA, MATHEUS; LANDGRAF, MARISTELLA A.; CAVANAL, MARIA F.; SEMEDO, PATRICIA; VIEIRA, DANIEL A. G.; DE MARCO, DAVI T. K.; HIRATA, APARECIDA E.; CAMARA, NIELS O. S.; GIL, FRIDA Z. Inflammatory milieu as an early marker of kidney injury in offspring rats from diabetic mothers. European Journal of Pharmacology, v. 689, n. 1-3, p. 233-240, AUG 15 2012. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.