Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de fragmentos de restrição de comprimento polimórfico (RFLPS) ligados a genes de resistência a podridão negra e murcha de fusarium em Brassica oleracea

Processo: 94/03571-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 1995 - 30 de junho de 1998
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Aranha Camargo
Beneficiário:Luis Eduardo Aranha Camargo
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Genética molecular vegetal  Melhoramento genético vegetal  Resistência genética vegetal  Variedades vegetais  Fitopatologia  Podridão (doença de planta)  Xanthomonas campestris  Murcha (doença de planta)  Fusarium  Olericultura  Couve  Citrus 

Resumo

Fragmentos de restrição de comprimento polimórfico (RFLPs) previamente utilizados na construção de um mapa de ligação de Brassica oleracea baseado no cruzamento das linhagens "Badger Inbred" (BI) e "OSU Cr-7", serão utilizados para estudar a colinearidade de regiões genômicas contendo genes de resistência à Xanthomonas campestris pv campestris (Xcc) e mapear genes de resistência à duas raças de Fusarium oxyporum f.sp. conglutinans (FOC). RFLPs pertencentes aos grupos de ligação 1 e 9, associados a loci quantitativos (QTL) de resistência à Xcc em BI, serão mapeados em populações F2 segregantes para resistência oriundos dos cruzamentos das cultivares resistentes "Louco de Piracicaba" (LP) e "AF19" com materiais suscetíveis. A análise da segregação dos RFPLs nestes cruzamentos será utilizada para determinar se, a ordem dos marcadores é a mesma daquela definida originalmente no mapa de B. oleracea, o que indicará a presença de colinearidade genômica de marcadores entre estas cultivares. Também será estudada a presença e posição de QTL de resistência de LP e AF19 nestes grupos de ligação, o que indicará colinearidade de genes de resistência. O gene de resistência dominante à raça 1 de FOC, por sua vez, será incluído no mapa usando-se o método "bulked segregant analysis" e duas populações F2 segregantes para resistência oriundos dos cruzamentos entre as linhagens resistentes BI e Cr-7 com uma linhagem suscetível. O mapeamento de tal gene em duas populações distintas permitirá esclarecer se BI e Cr-7 possuem os mesmos genes de resistência. Estas mesmas populações serão utilizadas para mapear o(s) gene(s) de resistência à raça 2 de FOC, cujo modo de herança é desconhecido, e determinar uma possível relação alélica entre os genes de resistência às duas raças de FOC. Os resultados obtidos neste estudo também permitirão averiguar a existência de ligação entre marcadores morfológicos e genes de resistência e se estes, a exemplo do que ocorre em outras espécies vegetais, estão organizados na forma de "clusters". (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.