Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação de ativina a em carcinomas espinocelulares orais

Resumo

O câncer bucal é um problema de saúde pública em muitas partes do mundo e embora avanços nos métodos terapêuticos tenham ocorrido nas últimas décadas, pacientes com câncer bucal apresentam prognóstico sombrio e taxa de sobrevida reduzida. O carcinoma espinocelular (CEC) representa mais de 95% de todos os casos de câncer oral e a busca por um melhor conhecimento dos eventos genéticos e biológicos que estão associados à tumorigênese oral, bem como a identificação de biomarcadores que possam contribuir para o diagnóstico e tratamento de pacientes com este tumor, é intensa. Estudando a influência do estroma na tumorigênese oral, nós recentemente identificamos ativina A como uma molécula que pode ter participação importante na progressão do CEC oral. Ativinas são glicoproteínas diméricas pertencentes à superfamília do fator de crescimento transformante-beta (TGF-²). Além de sua ação endócrina estimuladora da produção de gonadotrofinas, ativinas são associadas a eventos importantes relacionados à progressão tumoral incluindo indução da angiogênese, modulação das respostas imune e inflamatória e controle do crescimento e diferenciação celular. Ativinas são consideradas como fatores de crescimento/citocinas com papel autócrino e parácrino. Embora o exato papel da ativina A na progressão tumoral ainda não esteja bem esclarecido, sua expressão aumentada tem sido amplamente observada em vários tipos de cânceres. Os estudos envolvendo ativina A em CECs orais são escassos, mas apontam para uma associação com baixos índices de sobrevida. O objetivo deste estudo é compreender o papel biológico de ativina A no câncer oral. Para tanto, nós pretendemos avaliar os efeitos da super-expressão e da neutralização de ativina A na modulação dos principais eventos biológicos associados ao fenótipo das células tumorais e determinar o valor prognóstico desta proteína para pacientes afetados por CEC oral. É importante ressaltar que este projeto não tem o objetivo de esgotar todos os aspectos do envolvimento de ativina A no câncer oral. Contudo, assumindo que a expressão alterada de ativina A pode promover fenótipos importantes para a oncogênese, uma análise ampla e profunda pode colaborar com o conhecimento da função deste gene nos fenótipos e estágios específicos da oncogênese oral. (AU)