Busca avançada
Ano de início
Entree

Visão e comunicação celular na retina: o papel das células bipolares de entrada mista

Processo: 10/16469-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de agosto de 2011 - 31 de julho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Fisiológica
Pesquisador responsável:Christina Joselevitch
Beneficiário:Christina Joselevitch
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Auxílios(s) vinculado(s):15/04828-9 - Modelagem matemática da influência da geometria celular e da distribuição de canais iônicos na integração neuronal, AV.EXT
12/01105-8 - O papel dos diferentes compartimentos celulares no processamento visual em células bipolares de entrada mista, AV.EXT
Bolsa(s) vinculada(s):15/12457-0 - Estudo eletrofisiológico de modelo animal para Retinopatia da Prematuridade, BP.MS
14/17093-4 - Estudo da produção, composição e drenagem dos meios oculares de Carassius auratus (Cyprinidae) variedades padrão e demekin, BP.MS
Assunto(s):Receptores sensoriais  Fotorreceptores  Comunicação celular  Retina  Visão  Células amácrinas 

Resumo

A sensibilidade e adaptabilidade do sistema visual aos mais variados ambientes luminosos são impressionantes. Embora boa parte de nossa versatilidade visual seja resultado da existência de fotorreceptores com sensibilidades diferentes na nossa retina, os bastonetes e os cones, mecanismos pós-receptorais de adaptação são imprescindíveis para o funcionamento apropriado da visão, dadas as limitações dos bastonetes em adaptar à luz. Esses mecanismos pós-receptorais de controle de ganho, entretanto, são pouco conhecidos. Células bipolares que recebem entradas de ambos os tipos de fotorreceptores são peças-chave nesse processo de adaptação, pois precisam ajustar sua faixa dinâmica ativamente para poder transmitir sinais continuamente à retina interna em níveis escotópicos, mesópicos e fotópicos. Este projeto visa esclarecer quais os mecanismos dessas células bipolares de entrada mista que possibilitam este feito, investigando as interações entre os sinais dos fotorreceptores em estados de adaptação diferentes, sua integração e controle de ganho, o tipo de filtragem imposto pela fisiologia e morfologia das células bipolares e seus mecanismos de transmissão sináptica. Para tanto, experimentos combinando técnicas eletrofisiológicas, morfológicas, farmacológicas e de modelagem matemática serão realizados, com o intuito de compreender os mecanismos de codificação do sinal visual em células bipolares de entrada mista do tipo ON (mbON). Esses neurônios recebem substancial entrada de bastonetes e possuem, portanto, mecanismos de controle de ganho robustos. Os resultados obtidos com este estudo não apenas aumentarão nosso conhecimento a respeito das estratégias retinianas de codificação visual, mas poderão ter implicações práticas no desenvolvimento de terapias para de patologias que afetam as primeiras sinapses visuais, como a retinose pigmentar, a retinosquise e a cegueira noturna estacionária congênita. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GUIMARAES-SOUZA, ELISA MARIA; JOSELEVITCH, CHRISTINA; BRITTO, LUIZ ROBERTO G.; CHIAVEGATTO, SILVANA. Retinal alterations in a pre-clinical model of an autism spectrum disorder. MOLECULAR AUTISM, v. 10, APR 15 2019. Citações Web of Science: 0.
CORREDOR, VITOR H.; DA SILVA, FLAVIO T.; BARAN, LUIZ C. P.; VENTURA, DORA F.; JOSELEVITCH, CHRISTINA. Distribution and density of mixed-input ON bipolar cells of the goldfish (Carassius auratus) during growth. JOURNAL OF COMPARATIVE NEUROLOGY, v. 527, n. 5, p. 903-915, APR 1 2019. Citações Web of Science: 0.
KAE LEOPOLDO; CHRISTINA JOSELEVITCH. A neurociência computacional no estudo dos processos cognitivos. Psicologia USP, v. 29, n. 1, p. -, Jan. 2018.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.