Busca avançada
Ano de início
Entree

Secagem de leite humano: estratégia para enriquecer o leite humano para alimentação de recém-nascidos prematuros e de baixo peso

Resumo

A cada ano no Brasil, uma média de 200.000 a 250.000 bebês nascem prematuros e abaixo do peso considerado ideal pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde (MS). Uma das principais preocupações dos neonatologistas nesta fase perinatal é prover ao bebê as necessidades nutricionais para sua sobrevivência e retomada do desenvolvimento normal. Por vários anos, as indústrias farmacêutica e de alimentação suplementar buscaram formulações capazes de substituir ou complementar o leite humano, e até conseguiram resultados interessantes no aspecto nutricional como mostram os artigos de Lucas et al. Entretanto, estudos mais recentes mostram que tais formulações estavam associadas ao aumento dos casos de enterocolite necrosante e diarreias. Além disso, outros trabalhos apontam que muitas outras doenças, como diabetes e hipertensão arterial, na fase adulta estão relacionadas à substituição do leite humano por outra fonte de alimentação. Assim, podemos afirmar que hoje, o leite humano é comprovadamente o melhor alimento para os recém-nascidos por prevenir uma série de doenças, porém para recém-nascidos pré-termo e abaixo do peso seu valor nutricional é insuficiente, o que traz riscos de crescimento inadequado, deficiências nutricionais e até morte. Neste sentido, o projeto proposto tem por objetivo viabilizar uma forma de atender as necessidades nutricionais especiais dos recém-nascidos pré-termos ou abaixo do peso produzindo um leite humano enriquecido com os próprios nutrientes do leite humano, evitando as reações indesejáveis provocadas pelo uso das formulações. De uma forma resumida, o projeto prevê o desenvolvimento de um sistema, nos moldes do princípio de spray dryer, para transformação do leite humano em leite em pó. A ideia é que tendo o leite em forma de pó, portanto concentrado, este poderia ser adicionado a um leite in natura para então ser administrado àqueles bebês pré-termo ou com baixo peso que necessitam de uma dieta especial. Outra vantagem é que por esse leite estar em pó, sua manipulação e fracionamento é muito simples, além da facilidade de armazenamento e transporte para outras unidades (inclusive via correio). Para a primeira fase do PIPE, pretende-se comprovar a viabilidade deste conceito produzindo amostras de leite humano em pó, que serão avaliadas quanto ao teor calórico e nutricional (10). Assim que estabelecido o processo para produção e caracterização dessas amostras, o leite em pó produzido será adicionado ao leite humano pasteurizado, formando a "mistura" enriquecida, que será então avaliada quanto aos valores calóricos e nutricionais. Desta forma, espera-se obter um leite com características especiais que poderia ser destinado aos recém-nascidos pré-termo e de baixo peso, atendendo suas necessidades nutricionais. Atualmente todo leite coletado em bancos de leite é analisado, e aqueles que apresentam um valor calórico mais elevado são selecionados para alimentação dos bebês abaixo do peso ideal. Como a oferta deste leite especial é muito reduzida, em muitos casos apenas os bebês abaixo de 1500g contam com esse leite, enquanto o ideal seria todos abaixo de 2500g, conforme recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), American Academy ofPediatrics (AAP) e OMS. Esse processo muda completamente o cenário atual de seleção de leites de alto valor calórico para pré-termo com necessidades especiais, possibilitando a produção de leite de "alto rendimento" para atendimento não só dos recém-nascidos abaixo de 1500g, como é feito hoje na maioria dos bancos de leite por falta de leite especial, mas também para todos aqueles abaixo de 2500g conforme recomendado pela ANVISA, OMS e AAP. (AU)