Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo sobre a transmissibilidade do vírus da artrite encefalite caprina

Processo: 11/00746-7
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2011 - 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Lilian Gregory
Beneficiário:Lilian Gregory
Instituição Sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Maria do Carmo Custódio de Souza Hunold Lara
Assunto(s):Virologia veterinária  Artrite animal  Virulência 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Artrite Encefalite Caprina | Caprino | sêmen | transmissão | Virus | Clinica de Ruminantes

Resumo

O agente etiológico causador da artrite encefalite dos caprinos (CAE) é classificado como pertencente à família Retroviridae, do gênero Lentivirus, promovendo o aparecimento de doenças de incubação e evolução lentas em várias espécies de animais domésticos com lesões degenerativas e/ou inflamatórias de vários tecidos. Os lentivírus geralmente são não oncogênicos, porém espécie-específicos e apresentam alta taxa de mutação, com consequente diversidade genotípica e fenotípica. A infecção pelo lentivírus, geralmente persistente e assintomática, pode causar afecção multissistêmica, de evolução geralmente crônica, com agravamento progressivo das lesões, perda de peso e debilidade até a morte. O vírus causador da CAE pode provocar quatro formas clínicas da doença: articular (artrite crônica), mamária (mamite endurativa em cabras adultas), pulmonar (pneumonia progressiva aguda) e nervosa (leucoencefalomielite). A transmissão vertical pode ocorrer, pois já foi observado a soroconversão de cabritos que foram separados imediatamente após o parto e receberam colostro e leite de vaca pasteurizado. O aleitamento coletivo adotado em criações intensivas foi relatado como uma forma de manejo que favoreceria a disseminação da infecção viral. A transmissão por via transplacentária ou por monta natural, em caprinos, ainda não foi comprovada de forma insofismável. Porém a comprovação da presença do lentivírus no sêmen caprino diagnosticada por nested-PCR reforça a possibilidade da transmissão do LVC pela monta natural e pela inseminação artificial. O objetivo deste estudo é avaliar a transmissibilidade do vírus da artrite encefalite caprina através do sêmen e placenta (transmissão vertical). Sabe-se da existência de poucos estudos que avaliam o aspecto reprodutivo na transmissão. Com a junção das técnicas de biologia molecular e de imunodiagnóstico, este estudo irá alcançar informações mais precisas e confiáveis quanto à transmissibilidade do vírus e contribuir para o controle da doença inserido no Programa Nacional de Sanidade dos Caprinos e Ovinos (PNSCO) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No delineamento experimental, os animais serão distribuídos em dois grupos: Grupo 1 (Influência do sêmen na transmissão) que consistirá em seis fêmeas negativas ao vírus da artrite encefalite que serão inseminadas com sêmen positivos ao vírus; e Grupo 2 (Influência da placenta ou transmissão vertical) que consistirá em seis fêmeas positivas ao vírus da artrite encefalite que serão inseminadas com sêmen negativos ao vírus. Todas as mães serão mantidas em conjunto, uma baia para cada grupo, durante seis meses até a parição colhendo-se sangue total para a realização de PCR, nested-PCR e ELISA e imunodifusão em agar gel a cada 15 dias. E todos os cabritos também serão monitorados durante um ano colhendo-se sangue total para a realização de PCR, nested-PCR e ELISA e imunodifusão em agar gel a cada 30 dias. As verificações da influência da presença ou não do vírus no sêmen, sobre os resultados obtidos na determinação de anticorpos séricos antivírus da Artrite encefalite caprina por IDGA e ELISA; e na detecção do vírus por nested-PCR nos animais do estudo serão realizadas pelo teste de duas proporções, com aproximação pela distribuição normal de probabilidade, utilizando-se nível de significância de 5%. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)