Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de reprodutibilidade e validação da ultrassonografia para rastreamento de esteatose hepática e gordura na parede abdominal comparativamente a tomografia computadorizada: estudo longitudinal da saúde do adulto - ELSA - Brasil

Processo: 10/16696-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2011 - 30 de abril de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Alessandra Carvalho Goulart
Beneficiário:Alessandra Carvalho Goulart
Instituição-sede: Hospital Universitário (HU). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Airlane Pereira Alencar ; Carlos Felipe Moraes da Silva ; Cláudio Campi de Castro ; Danilo Peron Meireles ; Ilka Regina Souza de Oliveira ; Isabela Judith Martins Bensenor ; Paulo Andrade Lotufo
Assunto(s):Aterosclerose  Fígado gorduroso  Ultrassonografia  Estudos de validação 

Resumo

Aterosclerose subclínica pode ser avaliada através de uma gama de exames complementares, dentre eles, a ultrassonografia (USG) de fígado para o rastreamento de esteatose hepática como fator de risco cardiovascular. Há poucos estudos na literatura que comparam métodos diagnósticos, quantificam a variabilidade intra e inter-observador, utilizando medidas mais objetivas para diagnosticar e quantificar o grau de infiltração gordurosa intra-hepática. Propomos, portanto, um estudo subsidiário para avaliação da acurácia do protocolo da USG de fígado/parede abdominal, com ênfase no diâmetro antero-posterior (DAP) do lobo direito do fígado para o rastreamento de esteatose hepática em seus diversos graus dentre os participantes do Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (Elsa)-Brasil. Metodologia: ETAPA 1: Reprodutibilidade de leitura/medida das imagens adquiridas sub-amostra aleatória de 500 exames de participantes ELSA-Brasil. ETAPA 2: Reprodutibilidade de aquisição de imagens, com ênfase nas mensurações do DAP e das camadas adiposas na parede abdominal, para avaliação da concordância e qualidade das imagens no estudo ELSA. ETAPA 3: validação do protocolo USG - ELSA em relação a USG convencional e tomografia computadorizada de fígado e parede abdominal na mesma subamostra de 176 indivíduos. Para as ETAPAS 2 e 3, os indivíduos serão alocados em 4 grupos de acordo com a probabilidade clínico-laboratorial de esteatose hepática segundo os seguintes critérios: (1) elevação de AST, ALT ou GGT até 2x do normal, (2)triglicérides e400mg/dl, (3)índice de massa corpórea e 30kg/m2 (4) circunferência abdominal e 88 cm para mulheres e e 102 cm para homens. Serão calculados índices de reprodutibilidade e concordância, assim como curva ROC para definir pontos de corte para DAP. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
El peso de las emociones sobre el corazón