Busca avançada
Ano de início
Entree

Tecnologia fotônica avançada para comunicação óptica

Processo: 06/04546-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Tecnologia da Informação no Desenvolvimento da Internet Avançada - TIDIA
Vigência: 01 de junho de 2007 - 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Telecomunicações
Pesquisador responsável:Mônica de Lacerda Rocha
Beneficiário:Mônica de Lacerda Rocha
Instituição-sede: Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Pesq. associados:Amílcar Careli César ; Ben-Hur Viana Borges ; Murilo Araujo Romero
Assunto(s):Fotônica  Comunicação óptica  Comunicações optoeletrônicas 

Resumo

A estrutura de nosso plano de trabalho pode ser dividida em três segmentos principais: 1. Formatos Avançados de Modulação - em sistemas ópticos de alta capacidade são ferramentas úteis na superação de problemas relacionados a ruído, efeitos de propagação pela fibra e estreitamento espectral devido à concatenação de múltiplos filtros ao longo do caminho óptico atravessado por feixes multiplexados em comprimento de onda. Estes formatos em geral são classificados de acordo com o atributo físico usado para o transporte da informação e pelas características auxiliares da modulação, tais como modulação pulsada ou varredura em frequência (chirp). Serão investigados, teoricamente, formatos binários, multiníveis, pseudo-multiníveis, e códigos correlativos, com ênfase nos que serão implementados experimentalmente no Laboratório de 40Gb/s do CPqD. Esta linha temática esta diretamente ligada à proposta, submetida pelo Dr. Claudio Floridia "Receptor de 40Gb/s" pois, além das técnicas de modulação, para avaliação sistêmica, será necessária a montagem de receptores ópticos que apresentem características de alta sensibilidade e configuração balanceada, para avaliação de formatos de modulação de intensidade e fase, respectivamente.2. Fibras Microestruturadas (cristais fotônicos em fibra): nesta área temos atuado ativamento com o grupo do Dr. John Canning (OFTC, Univ. Sydney, Australia), no projeto, fabricação e teste destas fibras, capazes de simultaneamente compensar a dispersão cromática e prover amplificação Raman. Resultados preliminares já foram obtidos e sua descrição foi apresentada na conferência ACOFT (na lista de publicações do projeto). Esperamos continuar a trabalhar com o suporte da Fapesp e do Program International Science Link (ISL), do governo australiano (uma proposta complementar a esta foi submetida ao ISL, requerendo fundos para visitas técnicas e uma bolsa de tempo integral para pós-doutorado). Em paralelo, planejamos continuar trabalhando em colaboração com o Prof. Younes Messadeq, do IQ/Unesp, a fim de se desenvolver tecnologia brasileira na área de PCF. Trabalhamos com fibras de silica convencionais bem como fibras com baixa temperatura de fusão (soft glass).3. Acesso Óptico de Alta Velocidade - Inicialmente, pretendemos dar continuidade à linha de OCDMA (Optical Code Division Multiple Access) para redes locais (LAN). Este tecnologia provê arquiteturas de rede simples capazes de suportar o acesso assíncrono e simultâneo de múltiplos usuários. A informação de um usuário pode ser codificada em uma, duas ou três dimensões (1-D, 2-D ou 3-D), dependendo da arquitetura adotada. Códigos ópticos 2-D, em particular (comprimento de onda e tempo) têm vantagens como a redução da dimensão total do código e flexibilidade de projeto e aceitam um grande número de usuários para uma dada taxa de erro (BER). Duas famílias representativas de códigos 2-D são os matriciais (MC) e "fast frequency hope" (FFH). As especificidades das redes baseadas em cada um desses códigos implicam em abordagens diferentes para redução de degradações em altas taxas de bits. Assim, um dos aspectos mais importantes em OCDMA é o aumento da ortogonalidade do código de modo que um grande número de usuários possa ser suportado em segurança na rede. Em um futuro próximo, outras tecnologias de acesso óptico de alta velocidade deverão ser estudadas, tais como, Optical Packet (Burst) Switching eWavelength (Routing) PON (Passive Optical Network). (AU)