Busca avançada
Ano de início
Entree

Formulação para obtenção de embalagens ativas e/ou inteligentes de fontes renováveis

Processo: 08/52030-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa de Apoio à Propriedade Intelectual (PAPI/Nuplitec)
Vigência: 01 de dezembro de 2008 - 30 de novembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Patrícia Ponce
Beneficiário:Patrícia Ponce
Instituição-sede: Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Amido  Celulose  Biodegradação  Recursos renováveis  Conservação de alimentos  Embalagens de alimentos 

Resumo

Os alimentos têm constante atividade biológica e para prolongar a vida-útil de um alimento ou a sua vida-de-prateleira (tempo entre a produção e o consumo) diversos fatores ambientais devem ser controlados, como: oxigênio, umidade e temperatura. O oxigênio pode levar à oxidação de lipídeos e vitaminas e ainda favorecer o crescimento de microrganismos aeróbicos. A umidade favorece o desenvolvimento de microrganismos e escurecimento da fruta. A temperatura é importante para a conservação do alimento. O aumento da temperatura pode provocar a deterioração do produto, reações de oxidação e escurecimento não enzimático do alimento. A embalagem, portanto, deve funcionar como uma barreira entre o ambiente externo e o alimento embalado (Sarantópoulos e col., 2001). As embalagens que não só protegem o produto embalado, mas também interagem com ele e respondem com alterações em suas propriedades são chamadas de embalagens ativas e/ou inteligentes. Assim como as embalagens convencionais, as embalagens ativas e/ou inteligentes devem possuir função de proteção mecânica, proteção contra migrações indesejáveis de compostos e têm funções adicionais, como: a) absorver compostos que favoreçam a deterioração do produto embalado, b) liberar compostos que aumentem a vida-de-prateleira, e c) monitorar a vida-útil do produto (Azeredo e col., 2000). O objetivo desta invenção é obter embalagens biodegradáveis ativas e/ou inteligentes de amido, celulose ou seus derivados com a adição de agentes que evitam o escurecimento enzimático, a proliferação de fungos, a perda de peso e ainda forneçam uma indicação visual (mudança de cor da embalagem) da qualidade do produto embalado. (AU)

Patente(s) depositada(s) como resultado deste projeto de pesquisa

PROCESSO DE OBTENÇÃO DE ESPUMAS ATIVAS BIODEGRADÁVEIS OU COMPOSTÁVEIS A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PI1002499-9 - Comissão Nacional De Energia Nuclear (CNEN) ; Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) . Patrícia Ponce; Ademar Benévolo Lugão - 06 de julho de 2010