Busca avançada
Ano de início
Entree

Polimorfismos genéticos em fissuras lábio-palatinas não-sindrômicas: estudo caso-controle com uma população brasileira pareada por ancestralidade

Processo: 11/00891-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2011 - 31 de maio de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Ricardo Della Coletta
Beneficiário:Ricardo Della Coletta
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Pesq. associados:Andreia Bufalino ; Elizabete Bagordakis Pinto
Assunto(s):Patologia bucal  Anormalidades congênitas  Fenda labial  Fissura palatina  Polimorfismo genético 

Resumo

Fissuras do lábio e/ou palato (FL/P) representam as anomalias congênitas mais comuns da face, correspondendo a aproximadamente 65% de todas as malformações da região craniofacial. Em 70% dos casos, as FL/P se apresentam isoladas, recebendo a denominação FL/P não-sindrômica (FL/PNS). As FL/PNS têm origem multifatorial e fatores genéticos relacionados à patogênese das FL/PNS têm sido bastante estudados nos últimos anos. Estudos recentes de larga escala genômica descreveram várias regiões cromossômicas e genes candidatos a etiologia das FL/PNS, mas os resultados são variáveis e dependentes, entre alguns fatores, do grupo étnico avaliado. É bem estabelecido na literatura que um mesmo polimorfismo genético pode conferir proteção ou risco para o desenvolvimento das FL/PNS em populações de diferentes ancestralidades. É importante destacar que vários dos polimorfismos relacionados à pacientes com FL/PNS em populações homogêneas como as européias, asiáticas e africanas não se confirmaram na população brasileira, em decorrência, provavelmente, da intensa miscigenação de nossa população. O propósito deste projeto é avaliar e validar alguns dos polimorfismos recentemente descritos na literatura em pacientes com FL/PNS na população brasileira. Contudo, nossa amostra de FL/PNS, a qual é proveniente de pacientes assistidos em um Centro no Sul de Minas Gerais, será primeiramente caracterizada e pareada quanto a sua ancestralidade por meio de um painel de 44 INDELs (insertion/deletion markers). Pacientes afetados por FL/PNS e indivíduos normais (grupo controle) serão genotipados em 9 regiões polimórficas (rs987525, rs1443434, rs3758249, rs1530300, rs2013162, rs7078160, rs17085106, rs560426 e rs13041247) previamente associadas com FL/PNS pelo método de discriminação alélica com sondas fluorescentes (método Taqman da Applied Biosystems). Associações significantes serão confirmadas em um segundo grupo de amostras independente fornecido pela Dra. Maria Rita dos Santos e Passos-Bueno, o qual tem sua ancestralidade já caracterizada. Em adição, outros 2 polimorfismos (rs2274976 do gene MTHFR e rs2236225 do gene MTHFD1) recentemente associados com um risco aumentado de uma mulher ter um filho com FL/PNS serão avaliados em pares de amostras de mães normais com filhos afetados por FL/PNS. Os dados serão analisados por métodos estatísticos, incluindo equilíbrio de Hardy-Weinberg, teste de qui-quadrado, cálculo do risco de recorrência (odds ratio, OR) com intervalo de confiança (IC), medidas de desequilíbrio de ligação (D' e r2) e teste de redução multifatorial de dimensionalidade (MDR). Este estudo poderá contribuir para a melhor compreensão dos componentes genéticos envolvidos na patogênese das FL/PNS, assim como validar se tais polimorfismos susceptíveis às FL/PNS em estudos prévios se reproduzem na população brasileira. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BORGES, ANDREA DO REGO; SA, JAMILE; HOSHI, RYUICHI; VIENA, CAMILA SANE; MARIANO, LORENA C.; VEIGA, PATRICIA DE CASTRO; MEDRADO, ALENA PEIXOTO; MACHADO, RENATO ASSIS; DE AQUINO, SIBELE NASCIMENTO; MESSETTI, ANA CAMILA; SPRITZ, RICHARD A.; COLETTA, RICARDO D.; REIS, SILVIA R. A. Genetic risk factors for nonsyndromic cleft lip with or without cleft palate in a Brazilian population with high African ancestry. AMERICAN JOURNAL OF MEDICAL GENETICS PART A, v. 167, n. 10, p. 2344-2349, OCT 2015. Citações Web of Science: 18.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.