Busca avançada
Ano de início
Entree

Frações da realidade: ensaísmo nos cinemas de língua portuguesa

Processo: 11/00418-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2011 - 31 de maio de 2013
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Cinema
Pesquisador responsável:Carolin Overhoff Ferreira
Beneficiário:Carolin Overhoff Ferreira
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):Língua portuguesa  Ensaio literário 

Resumo

Desde meados dos anos 80 destacam-se duas tendências dentro do panorama do cinema mundial, associadas a diretores dotados de uma distinta marca autoral: o novo realismo e o filme-ensaio. Ao lado de realizadores internacionais de grande prestígio, como, por exemplo, Jean-Luc Godard, Abbas Kiarostami, Harun Farocki, Apichatpong Weeresethakul e Gus van Sant, há diversos nomes das cinematografias lusófonas afinados com estas tendências e alguns não menos celebres: os portugueses Manoel de Oliveira, João César Monteiro e Pedro Costa, os brasileiros Beto Brant, José Padilha, Eduardo Coutinho e João Moreira Salles, o guineense Flora Gomes e o angolano Ruy Duarte de Carvalho, entre outros. Todos estes cineastas debruçam-se sobre os múltiplos impactos do capitalismo tardio, sem esquecer o legado direto ou indireto do imperialismo europeu, ou a presença de outras formas de poder. Esteticamente, seus filmes procuram estabelecer uma relação forte com a realidade, ao mesmo tempo em que interrogam a representabilidade da mesma, confrontando e envolvendo o espectador através de visões pessoais e não conclusivas acerca das questões éticas em jogo, não raramente instigadas pelas possibilidades que o digital oferece como nova ferramenta cinematográfica. A atenção acadêmica a este tipo de cinema de cariz ensaística nos tem brindado publicações recentes dedicadas ou ao novo realismo (Nagib & Mello, 2009) ou ao filme ensaio (Rascaroli, 2009). Porém, apesar de possuírem características em comum - sendo a transgressão das fronteiras entre ficção e realidade, bem como uma descrença na objetividade da representação as mais significativas - as duas tendências ainda nem foram relacionadas nem pesquisadas designadamente no contexto dos cinemas de língua portuguesa. Ao propor esta ligação, este projeto visa defender a existência de um terceiro gênero, o ensaio cinematográfico ou fílmico, e estudá-lo em cineastas de língua portuguesa (Brasil, Portugal, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), cujas culturas e histórias de cinema contam com uma forte tradição ensaística. Pretende-se, desta forma, apurar o conhecimento sobre o papel que estes cineastas estão desempenhando no contexto do cinema mundial, bem como interrogar até que ponto é possível falar de um fenômeno importante no mundo lusófono, ou seja, se existe de fato um conjunto expressivo de filmes ensaísticos que possuem éticas e estéticas distintas para apresentar a realidade fracionada do mundo contemporâneo. (AU)