Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da diversidade de bactérias metanotróficas em uma cronossequência de ecossistemas amazônicos naturais e sujeitos à atividade antropogênica

Processo: 10/20007-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2011 - 30 de junho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Vivian Helena Pellizari
Beneficiário:Vivian Helena Pellizari
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Bacteriologia  Ecologia de ecossistemas 

Resumo

As bactérias metanotróficas constituem um grupo único de microrganismos, fisiológicamente distinto pela sua habilidade em usar o metano como única fonte de carbono e energia; são, portanto, capazes de realizar a oxidação biológica do metano. Acredita-se que estas formam uma espécie de barreira biológica ao gás, nos solos. A Floresta Amazônica tem sido alvo de investigações relacionadas ao aquecimento global. Esses ecossistemas tropicais possuem significativo reservatório de carbono. Nas últimas décadas a região tem sofrido com o desmatamento para a conversão do solo em pastagens. O gás metano (CH4) é um dos gases de efeito estufa mais importantes, e seu impacto na atmosfera é severo. Seu aumento ao longo dos anos é significativo e, esse gás tornou-se uma das maiores preocupações dos cientistas. Os organismos metanotróficos integram os objetivos das linhas de pesquisas do Laboratório de Ecologia de Micro-organismos do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, relacionadas ao conhecimento e à compreensão da Ecologia Microbiana dos processos que envolvem a produção e o consumo do gás metano. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é verificar a ocorrência de atividade metanotrófica a partir de amostras de uma cronoseqüência de solo que cobre de floresta á pastagem e vegetação secundária, para verificar se tal manejo do solo influencia na composição da comunidade metanotrófica. Amostras de solo da Floresta amazônica, assim como os de área de pastagem e de Floresta secundária serão coletados na Fazenda Nova Vida, na região central do Estado de Rondônia. Serão feitos cultivos para avaliação de consumo de metano em meio NMS, em frascos lacrados com atmosfera interna controlada com 15% de metano em ar atmosférico. O consumo de metano será constatado por cromatografia gasosa (GC/FID). Será realizada extração de DNA das amostras, para amplificação do gene pmoA que será utilizado como marcador filogenético na construção de bibliotecas de DNA , na realização DGGE e qPCR. (AU)