Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise de moléculas ativadoras e reguladoras de células T CD4 e Treg CD4+CD25+ de camundongos Balb/C com lúpus eritematoso sistêmico (LES) induzido por pristane

Processo: 11/50101-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2011 - 30 de junho de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Claudia Goldenstein Schainberg
Beneficiário:Claudia Goldenstein Schainberg
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Reumatologia  Lúpus eritematoso sistêmico  Linfócitos T CD4-positivos  Hormônios estimuladores de melanócitos  alfa-MSH 

Resumo

O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença auto-imune que atinge cerca de 60.000 pessoas no Brasil. Possui etiologia complexa na qual fatores ambientais, genéticos e hormonais estão envolvidos. É multissistêmica, capaz de afetar múltiplos órgãos, sendo caracterizada pela perda da auto-tolerância imunológica com produção e expansão de células T auto-reativas e produção de mediadores inflamatórios e de auto-anticorpos. Os receptores celulares CD69 e CD28 são essenciais para manter a ativação e proliferação de células T CD4 auto-reativas, pois aumentam a produção de IL-2. Já o CTLA-4 funciona como um regulador negativo de células T CD4, inibindo sua ativação e proliferação. A atividade de células T CD4 auto-reativas também é controlada por células T supressoras/reguladoras (Treg) CD4+CD25+. A expressão de CD69 e CD28 em células Treg CD4+CD25+ é importante para a manutenção da sua atividade supressora/reguladora e o CTLA-4 é fundamental para regular os sinais de transdução e diferenciação destas células. Devido à heterogeneidade da expressão do lúpus na população, estudos experimentais que desenvolvam síndromes semelhantes à patologia humana são importantes. A administração de pristane a camundongos Balb/c induz respostas inflamatórias com produção de auto-anticorpos, reproduzindo muitos fatores sorológicos, histopatológicos e clínicos do lúpus humano. Já o hormônio estimulador de melanócitos (aMSH) possui efeito anti-inflamatório capaz de inibir a ativação e proliferação de células T CD4. Desta forma, o objetivo deste trabalho é avaliar a expressão das moléculas ativadoras CD69 e CD28 e da molécula reguladora CTLA-4 em células T CD4 e Treg CD4+CD25+ do sangue periférico de camundongos Balb/c com LES induzido por pristane. A avaliação, antes e após o tratamento com aMSH, deverá contribuir para a compreensão dos eventos moleculares e celulares anormais do LES. (AU)