Busca avançada
Ano de início
Entree

Vestígios de uma cidade: homens pobres livres, escravos e "negócios da pobreza" em Jacareí, SP, no século XIX

Processo: 11/01769-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2011 - 30 de junho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali
Beneficiário:Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali
Instituição-sede: Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D). Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP). São José dos Campos , SP, Brasil
Pesq. associados:Valéria Regina Zanetti
Bolsa(s) vinculada(s):12/15613-5 - Vestígios de uma cidade: homens pobres livres, escravos e "negócios da pobreza" em Jacareí, SP, no Século XIX, BP.TT
12/12735-2 - Vestígios de uma cidade: homens pobres livres, escravos e "negócios da pobreza" em Jacareí, SP, no Século XIX, BP.TT
Assunto(s):História regional do Brasil  Jacareí (SP)  História do século XIX  Libertação de escravos  Pobreza  Processo civil 

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo levantar conflitos, crimes e tensões sociais, bem como o rol de testemunhas contidos nos Processos Crimes e Cíveis existentes na cidade de Jacareí durante o século XIX, com o intuito de buscar desvendar as formas de trabalho, relações solidárias e cotidiano de pobres livres, escravos e libertos da referida cidade. Na sociedade cafeeira do Vale do Paraíba do século XIX, a cidade de Jacareí detinha um certo destaque, no entanto encontrava-se na condição de uma localidade empobrecida, formada por um grande contigente de homens pobres livres, pequenos sitiantes, lavradores com poucos escravos, tendo como suporte econômico a lavoura cafeeira de pequena e média propriedade. Uma das questões que se levanta consiste em perguntar em que medida os múltiplos afazeres exercidos por pobres livres e escravos podem ser considerados como "negócios da pobreza", geradores de uma cultura solidária entre os menos afortunados da região, mote para transformações no cotidiano e reelaboração constante das relações mantidas com senhores e membros da elite local. Em que medida cultura, tradição e costumes de homens pobres livres e escravos foi capaz de gerar um "capital social" dessa comunidade, subsidiador de transformações no interior das relações paternalistas vigentes na região de Jacareí e Vale do Paraíba, no século XIX. A partir do arrolamento das fontes acima mencionadas, têm-se também o objetivo de arquivar tal Corpo Documental, digitalizado e disponibilizado no site do Projeto Pro-Memória Jacareí, convênio firmado entre a Univap (por meio do Laboratório de Pesquisa e Documentação Histórica/IP&D) e a Fundação José Maria de Abreu, detentora da documentação arquivística de Jacareí. (AU)