Busca avançada
Ano de início
Entree

Fecundidade e crescimento do siri Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (Crustacea, Brachyura, Portunidae) no litoral do estado de São Paulo

Processo: 95/09495-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de agosto de 1996 - 31 de outubro de 1998
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marcelo Antonio Amaro Pinheiro
Beneficiário:Marcelo Antonio Amaro Pinheiro
Instituição-sede: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Auxílios(s) vinculado(s):99/07868-7 - Fator de condição do siri Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (Crustacea, Brachyra, Portunidae), em Ubatuba (SP), Brasil, AR.EXT
97/13865-5 - Potencial reprodutivo do SRI Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (crustacea:brachyura:portunidae) no litoral norte do Estado de São Paulo, Brasil, AR.BR
Bolsa(s) vinculada(s):97/13866-1 - Embriologia do siri chita Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (Crustacea: Brachyura: Portunidae), BP.IC
96/09632-2 - Crescimento dos indivíduos da população do siri chita Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (Crustacea, Brachyura, Portunidae) no litoral norte do estado de São Paulo, BP.IC
96/10008-1 - Fecundidade do siri Arenaeus cribrarius (Lamarck, 1818) (Crustacea: Brachyura: Portunidae) no litoral do estado de São Paulo, Brasil, BP.IC
Assunto(s):Siri  Aquicultura  Arenaeus cribrarius 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Investindo...pesquisadores_202_163_164.pdf

Resumo

Nos últimos anos, a biologia de Arenaeus cribrarius tem recebido várias contribuições que visam sua preservação e futuro cultivo. No entanto, a determinação da fecundidade e das curvas de crescimento, extremamente necessárias para a estimativa de seu potencial reprodutivo e de cultivo, ainda são desconhecidas. Este projeto pretende enfocar tais parâmetros com base em amostras mensais desta espécie com rede de arrasto ("otter-trawl"), a serem realizadas em Ubatuba (SP) durante um período anual. Além disso, será realizada também uma caracterização dos estágios embrionários quanto a sua morfologia, cromatologia e volume, verificando a variação de tais parâmetros durante o desenvolvimento. Os exemplares serão sexados e identificados quanto ao estágio de maturação (machos jovens, machos adultos, fêmeas jovens, fêmeas adultas não ovígeras e fêmeas ovígeras). Posteriormente, estes serão submetidos a biometrias, registrando-se a largura cefalotorácica sem os espinhos laterais (LC) e seu peso úmido (PE). As fêmeas ovígeras terão seus ovos retirados, pesados (PO) e descritos quanto ao seu estágio embrionário com base em sua morfologia, coloração, diâmetro médio e volume. Após desidratação em álcool 100% e estufa (60 °C), a massa ovígera de cada fêmea será pesada e, por pesagem diferencial, estimado o número de ovos (NO). A análise da fecundidade consistirá de regressão das relações NO x LC, PE x LC e PO x LC, verificando o modelo matemático de melhor ajuste e coerência biológica. Para a determinação das curvas de crescimento será realizado um agrupamento bimestral dos indivíduos de cada sexo, utilizando-se, a seguir, o método da distribuição de frequência em classes de tamanho (LC). Após verificação do deslocamento das modas resultantes em relação ao tempo, caracterização das classes etárias e confecção das curvas de crescimento, será determinada a taxa de crescimento, o tamanho máximo e respectiva idade atingida pela espécie, bem como a idade na primeira maturação sexual. (AU)