Busca avançada
Ano de início
Entree

Variação genética e doenças: estudo de polimorfismos nos transtornos globais do desenvolvimento, na depressão e nos distúrbios do espectro alcóolico fetal

Processo: 11/08960-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2011 - 31 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Ana Beatriz Alvarez Perez
Beneficiário:Ana Beatriz Alvarez Perez
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Andre Russowsky Brunoni ; Bruno Coprerski ; Decio Brunoni ; Graziela Paronetto Machado ; Thiago Marques Fidalgo
Assunto(s):Alcoolismo  Gravidez  Transtornos do espectro alcoólico fetal  Transtornos globais do desenvolvimento infantil  Polimorfismo genético  Variação genética 

Resumo

Os Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TID), também denominados Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) ou Transtornos do Espectro Autista (TEA) constituem um grupo caracterizado por alterações presentes desde idades precoces e que se manifestam nas áreas de desenvolvimento da comunicação, comportamento e relação interpessoal. Diversos estudos de associação com genes candidatos sugerem envolvimento dos genes do sistema da serotonina. O gene transportador da serotonina (5-HTT) tem sido examinado em inúmeras populações diferentes entre si. A função da serotonina é exercida através de sua interação com receptores específicos. No Brasil dois estudos recentes foram efetuados. Um grupo encontrou evidência de menor transmissão de 2 alelos do receptor 1 mas são cautelosos em estabelecer alguma relação causal. O outro estudo pesquisou com metodologia similar a associação de polimorfismos do gene transportador da serotonina em pacientes com TGD, sugerindo a inexistência de associação positiva entre os alelos estudados e pacientes brasileiros.Diversos estudos tem sugerido que o BDNF tem papel fundamental na chamada "hipótese neurotrófica da depressão". De acordo com esta teoria, o tratamento antidepressivo, teria uma "via final comum" com aumento da expressão do BDNF, restauração da neuroplasticidade nas áreas críticas e, por fim, reversão do quadro antidepressivo. Duas meta-análises sintetizaram os achados de cerca de 20 estudos clínicos demonstrando que há um aumento de cerca de 30% nos níveis séricos de BDNF após diversas formas de tratamento antidepressivo. O polimorfismo Val66Met parece ser um fator preditor e perpetuador do Transtorno Depressivo Maior e a determinação deste polimorfismo de BDNF é interessante em nosso ensaio clínico em que pacientes com depressão serão submetidos a tratamento com sertralina ou estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC). Após a sistematização da Síndrome Alcoólica Fetal, vários estudos foram realizados para avaliar os reais riscos a saúde materno-fetal provocados pelo uso e abuso de álcool durante a gestação. A influência dos polimorfismos nos loci codificadores das enzimas álcool desidrogenase (ADH) e acetaldeído desidrogenase (ALDH) no risco do desenvolvimento de dependência ao álcool é bem caracterizado em algumas populações, mas não no Brasil. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.