Busca avançada
Ano de início
Entree

Espetáculo e devoção: burlesco e teologia política nas danças populares brasileiras

Processo: 10/51584-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de novembro de 2010 - 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Dança
Pesquisador responsável:Marianna Francisca Martins Monteiro
Beneficiário:Marianna Francisca Martins Monteiro
Instituição-sede: Instituto de Artes (IA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Cultura popular  Dança popular  Danças dramáticas  Festas populares  Festas folclóricas  Brasil  Publicações de divulgação científica  Livros 

Resumo

Trata-se de apresentar os resultados de pesquisa das manifestações populares brasileiras de dança, teatro e música do ponto de vista de seus antecedentes históricos, com vista a relacionar esses fenômenos a processos culturais mais amplos vinculados à constituição do Estado moderno, durante a expansão ibérica e constituição de impérios coloniais nas Américas. As danças populares brasileiras são analisadas como elementos de uma teologia política, cujos parâmetros são as doutrinas cristãs hegemônicas no período da expansão colonial. Analiso as danças populares de hoje, congadas, moçambique, congos, com seus cortejos dançantes que acompanham realezas africanas, como construção retórica e ideológica forjada no tempo da escravidão e até hoje reatualizadas em função de novos contextos sociais e políticos. A reflexão se amplia e propõe formas de se compreender as relações entre cultura popular e erudita. A partir do conceito de cultura de massa no barroco, ainda na perspectiva da longa duração, apresento documentação setecentista sobre as touradas e as cenas cômicas dentro delas e procuro lançar alguma luz sobre um outro grande conjunto de manifestações populares brasileiras, os bois-bumbás, os cavalos marinhos, pensando os intervaleiros cômicos das touradas setecentistas como ancestrais dos palhaços negros da cultura popular brasileira atual, Mateus, Bastião Catilinas e Pai Francisco. O sentido arquetípico da temática da morte e ressurreição do boi adquire novos contornos, liga-se a formas de expressão cênica em sociedades mercantis modernas. (AU)