Busca avançada
Ano de início
Entree

Passagens: Ostjuden e modernidade na literatura judaico-alemã

Processo: 10/18821-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de março de 2011 - 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Literaturas Estrangeiras Modernas
Pesquisador responsável:Luis Sérgio Krausz
Beneficiário:Luis Sérgio Krausz
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Literatura hebraica  Literatura alemã  Áustria-Hungria  Antissemitismo  História do século XIX  Iluminismo  Livros 

Resumo

A literatura de que trata este estudo - a literatura judaica em língua alemã dos séculos 19 e 20 - é o resultado do encontro do povo judeu com a modernidade e com a história, um acontecimento que está indissociavelmente ligado ao avanço do Iluminismo sobre a Europa, e mais especificamente ao advento de uma forma especificamente judaica desse Iluminismo, qual seja, a Haskalá. Desde Idade Média, da qual os resquícios avançariam, século 19 adentro, no Leste da Europa, e mesmo desde o início da Diáspora que se seguiu à destruição do 2º. Templo pelos romanos, os acontecimentos no universo do judaísmo europeu tradicional dividem-se em dois períodos infinitos: o ontem bíblico e o exílio de hoje, dominado pela expectativa da chegada do Messias. Mas o avanço, em direção ao Leste, das idéias propaladas pela Haskalá judaico-alemã, passaria a por em questão a insularidade judaica, inerente ao conceito bíblico de Galut, e a propor a plena integração dos judeus nos estados nacionais emergentes, construídos não mais sobre a base dos dogmas religiosos ditados pelas igrejas, e sim sobre os conceitos tipicamente iluministas de universalismo, direitos humanos e "civilização".É do encontro entre a tradição judaica com esse novo modelo de organização social, que tem como fulcro, na esfera ideológica, a noção de uma humanidade transcendente às especificidades étnicas e religiosas e a idéia fáustica de autonomia humana e, na esfera econômica, a expansão de um capitalismo industrial emergente, voltado para a urbanização, e a produção e o consumo, que surge uma literatura cuja temática central é, justamente a ambivalência da situação judaica, na transição que parte de um mundo judaico tradicional, doravante visto como primitivo, obscurantista e supersticioso, em direção às promessas de um novo homem e de uma nova sociedade, fundamentada na noção de progresso, enunciadas pelos filósofos do Iluminismo, e responsáveis pela emergência e pela materialização da modernidade européia ao longo do século 19.Se o movimento triunfante dessa modernidade européia se deu a partir do ocidente em direção a uma Europa distante e fechada em suas tradições, no Leste, não surpreende que os primeiros expoentes da "nova" literatura judaica tenham sido autores judeus radicados nos países de língua alemã. Nas décadas de 1820 a 1850, na esteira da demolição dos muros que, até então, mantinham os judeus da Alemanha confinados a guetos em suas cidades, surge um gênero literário hoje conhecido como Ghettoliteratur - um gênero especificamente judaico e moderno, em que a temática central é a elaboração dos conflitos entre dois universos culturais distintos: o da tradição judaica e o das ideologias oitocentistas, que ameaçava dilacerar aqueles que, nascidos no seio de uma crença e de uma religiosidade ancoradas em séculos de escolástica judaica e de esperança pela redenção messiânica, viam a modernidade nascente demolir, um a um, todos os paradigmas sobre os quais se estruturava sua visão de mundo e sua teologia.A partir daí, o movimento que propunha a integração dos judeus em estados nacionais de feições modernas avançou em direção ao Leste europeu, desmantelando gradativamente a integralidade da aldeia judaica ou Shtetl, e ocasionando o surgimento de uma literatura cujo assunto central era o fenômeno que lhe deu origem, qual seja, o encontro do judeu tradicionalista com as realidades da sociedade moderna.O propósito deste estudo é traçar um panorama da literatura que surge neste contexto, a partir de obras seletas que, de alguma maneira, me parecem emblemáticas tanto do gênero da Ghettoliteratur quanto da literatura judaica moderna, de caráter a cada tanto mais secular, que floresce na Europa dos séculos XIX e XX. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Livros publicados com apoio da FAPESP vencem Prêmio Jabuti