Busca avançada
Ano de início
Entree

I seminário gênero, sexualidade e mídia: olhares plurais para o cotidiano

Processo: 11/07919-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Vigência: 06 de outubro de 2011 - 07 de outubro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia
Pesquisador responsável:Larissa Maués Pelúcio Silva
Beneficiário:Larissa Maués Pelúcio Silva
Instituição-sede: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Sexualidade  Violência  Gênero  Meios de comunicação 

Resumo

Na última década assistimos a um perceptível aumento de estudos na área de gênero e sexualidade no Brasil. Pesquisas realizadas em várias disciplinas têm apresentado temas e objetos diversificados, adensando o debate no nível teórico e metodológico. O mesmo interesse temático também é visível nos estudos sobre comunicação e mídia, terreno no qual as preocupações relativas à identidade, corpo, raça, na qual os estudos culturais têm aportado importantes contribuições teórico-metodológicas. No intuito de promover esse debate necessário, o I Seminário Gênero, Sexualidade e Mídia: olhares plurais para o cotidiano pretende proporcionar um espaço de produção, reflexão e troca, reunindo pesquisadoras e pesquisadores de diferentes áreas de conhecimento que utilizam do aporte teórico das ciências sociais, da teoria feminista e dos estudos culturais, entre outros, para pensar o lugar das relações de gênero e dos debates sobre sexualidades nas produções culturais contemporâneas. Como elementos constitutivos das subjetividades contemporâneas, gênero, sexualidade e mídia têm pautado inquietantes questões na arena pública. O que vem demandando a elaboração de um arsenal teórico acurado para que possamos aprofundar os termos do debate, refinar conceitos e propor novas perspectivas metodológicas capazes de operar com as variadas tecnologias de comunicação hoje disponíveis e com os usos que as pessoas fazem desses recursos. Considerando, ainda, indagar qual tem sido o papel das diferentes tecnologias discursivas frente às desigualdades nas relações sociais e de gênero e dos direitos sexuais. (AU)