Busca avançada
Ano de início
Entree

A canção das mídias: memória e nomadismo

Resumo

O advento das mídias propiciou, dentre outras consequências, o surgimento da canção das mídias que, diferente de todas as outras modalidades de canção que a precederam impõe condições distintas de escuta e performance (VALENTE, 2003). Ganhando uma vida esquizofônica (SCHAFER, 2001), eternizou-se no disco; difundindo-se pelo rádio, tomou-se onipresente na paisagem sonora. Não existindo sólidos estudos a respeito das consequências tanto estéticas, quanto perceptivas dessa música ao homem do século XX, pretende-se aqui verificar como determinadas variantes da canção se estabeleceram, fixando-se como memória cultural (ou não). Destaque especial será dado aos vínculos entre rádio, periódicos, cinema e televisão como interfaces da construção do sucesso, que constrói e consolida certo tipo de memória cultural, no âmbito de uma cultura das mídias, por intermédio da música. A pesquisa se dedicará ao estudo de canções nômades: o fado, o tango e o bolero, sendo cada um dos gêneros estudado sequencialmente. O tango, como o gênero nômade, por excelência: um estudo sobre a presença, no Brasil; as mutações entre o tango adaptado e traduzido e tango criado por brasileiros. Sobre o bolero: fixou-se no Brasil, como canção romântica, trazendo consigo aquilo que se denomina popularmente mexicanização. O fado, de sua parte, conflui com as várias levas de migração portuguesa. No caso da cidade de Santos, alguns traços particulares merecem uma abordagem particularizada, pela sua forte representatividade na cidade mais povoada de portugueses e luso-descendentes e pelo contato constante com essa canção. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)