Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do veneno de Tityus serrulatus em camundongos geneticamente selecionados para alta ou baixa resposta inflamatória aguda

Processo: 11/09555-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Pesquisador responsável:Mônica Spadafora Ferreira
Beneficiário:Mônica Spadafora Ferreira
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Fernanda Calheta Vieira Portaro ; Nancy Starobinas ; Orlando Garcia Ribeiro Filho ; Osvaldo Augusto Brazil Esteves Sant'Anna
Bolsa(s) vinculada(s):13/20517-8 - Treinamento em utilização de camundongos como modelo experimental em pesquisa, técnicas de imunologia celular e biologia molecular, BP.TT
12/06797-5 - Treinamento em técnicas de imunologia celular, biologia molecular e manipulação de camundongos, BP.TT
11/19582-4 - Treinamento em técnicas de imunologia celular, biologia molecular e manipulação de camundongos, BP.TT
Assunto(s):Venenos de origem animal  Venenos de escorpião  Tityus serrulatus  Neurotoxicidade  Edema pulmonar  Resposta inflamatória  Citocinas 

Resumo

O escorpionismo tem aumentado nos últimos anos, segundo o Ministério da Saúde, sendo o Tityus serrulatus a espécie causadora de acidentes mais graves no Brasil. Diversas toxinas com atividade sobre canais iônicos foram descritas e algumas atividades enzimáticas foram detectadas em diferentes espécies de escorpiões. Os efeitos neurotóxicos provocados pelo veneno de T. serrulatus (VTs) podem ser explicados em grande parte pelas toxinas que agem em canais iônicos. No entanto, proteases e ativadores enzimáticos também podem estar relacionados com a resposta inflamatória e o edema pulmonar induzidos pelo veneno. Foi mostrado que o VTs é capaz de induzir uma resposta inflamatória sistêmica ocasionando a liberação de proteínas de fase aguda e citocinas inflamatórias em pacientes e animais experimentais. Dados anteriores do nosso grupo mostram que o VTs e alguns componentes com atividade proteolítica induzem, in vitro, a produção de citocinas pró-inflamatórias tais como IL-6, IFNg e TNF±, bem como quimiocinas por esplenócitos murinos. Foi mostrado recentemente, que camundongos selecionados geneticamente para alta resposta inflamatória (AIRmax) apresentam maior influxo celular e produção de mediadores inflamatórios frente ao veneno de Bothrops jararaca, do que a linhagem selecionada para baixa resposta inflamatória (AIRmin), sugerindo que fatores genéticos estão envolvidos na resposta inflamatória a veneno de serpente. Este estudo visa avaliar a ação do VTs e alguns componentes isolados em linhagens de camundongos AIRmax e AIRmin. Serão avaliadas as alterações histopatológicas, populações celulares, moléculas de adesão, citocinas e quimiocinas presentes no pulmão e sangue periférico dos animais tratados com o veneno e alguns componentes isolados. O estudo da ação do VTs nessas linhagens tem como objetivo verificar se fatores genéticos estão envolvidos na resposta ao veneno de escorpião e dessa forma contribuir para a melhor compreensão dos mecanismos envolvidos no envenenamento. (AU)