Busca avançada
Ano de início
Entree

O modelo Danio rerio para entender a interrelação entre a neurotoxicologia do desenvolvimento de espécies metálicas e algumas doenças neurodegenerativas

Processo: 11/11921-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Pesquisador responsável:Raúl Bonne Hernández
Beneficiário:Raúl Bonne Hernández
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Síndromes neurotóxicas  Manganês  Alumínio  Doenças degenerativas 

Resumo

O Brasil é um dos principais produtores de manganês e alumínio, os quais são neurotóxicos durante o desenvolvimento, e associados com doenças próprias do envelhecimento (Parkinson, Alzheimer e Esclerose Lateral Amiotrófica), com elevados custos, para saúde pública. Por exemplo, a prevalência nacional de Alzheimer pode chegar até o 63% do total de casos de demência no país. Entretanto, 4% da população brasileira com idade acima de 50 anos deve padecer de Parkinson no ano 2030. Embora existam alguns avanços, os mecanismos para explicar o desenvolvimento das doenças supracitadas e a neurotoxicidade destes metais ainda são controversos, onde a especiação química e potenciais associações de espécies metálicas têm sido negligenciadas reiteradamente. Desta forma, este projeto pretende estudar a importância da especiação química do Al e do Mn, e das interações inter-metálicas para os mecanismos da neurotoxicidad induzida por esses metais durante o desenvolvimento, e suas implicações na ocorrência de doenças neurodegenarativas. Este projeto contribuirá para o aprimoramento dos estudos de avaliação de riscos ambientais e neurotoxicológicos de metais. Esta será uma pesquisa básica, aplicada e explicativa. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Formas químicas de metais associados a doenças neurodegenerativas influenciam efeitos tóxicos