Busca avançada
Ano de início
Entree

As leveduras selvagens no ambiente industrial fermentativo: efeito do sistema de fermentação, tratamento do fermento, tipo de substrato e bactérias sobre a fermentação alcoólica contaminada por linhagens selvagens de S. cerevisiae e D. bruxellensis

Processo: 11/17928-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2012 - 31 de dezembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Sandra Regina Ceccato Antonini
Beneficiário:Sandra Regina Ceccato Antonini
Instituição-sede: Centro de Ciências Agrárias (CCA). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Araras , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/03401-3 - As leveduras selvagens no ambiente industrial fermentativo: efeito do sistema de fermentação, tratamento do fermento, tipo de substrato e bactérias sobre a fermentação alcoólica contaminada por linhagens selvagens de s. cerevisiae e d. bruxellensis, BP.TT
Assunto(s):Fermentação  Leveduras  Etanol 

Resumo

Uma das principais preocupações na indústria sucro-alcooleira é combater os microrganismos contaminantes do processo de produção de álcool, representados pelas bactérias e leveduras que se instalam no processo. Essas leveduras que invadem o processo recebem o nome de leveduras selvagens e os principais gêneros encontrados na cana-de-açúcar saudável são Saccharomyces, Torula e Pichia. Leveduras Saccharomyces cerevisiae que apresentam pseudohifas (brotos que não se separam da célula-mãe) são muito frequentes nas dornas de fermentação e podem causar problemas no processo, inclusive com perda do rendimento fermentativo. Além disto, mais recentemente, a presença dos gêneros Dekkera e Brettanomyces têm sido relacionada também à problemas nos processos fermentativos para produção de etanol. Neste contexto, o presente projeto tem por objetivo principal verificar a performance das leveduras selvagens, representadas pelas linhagens de S. cerevisiae com colônias rugosas e de D. bruxellensis, nas condições do ambiente industrial, ou seja, verificando a influência do tipo de sistema de fermentação, tipo de substrato, tipo de tratamento do fermento e da contaminação por bactérias, sobre a fermentação etanólica conduzida pela levedura industrial PE-02 em situações de contaminação com as leveduras selvagens. Aspectos relativos à competitividade dessas leveduras quanto à disponibilidade de açúcar, tipo de fonte de nitrogênio e de inibidores do substrato serão também avaliados. Os experimentos serão realizados tanto em etapa de frascos quanto em fermentador. Espera-se com este trabalho ter resultados que possam auxiliar no manejo da fermentação alcoólica quando contaminada com essas leveduras selvagens. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GUARNIERI BASSI, ANA PAULA; MENEGUELLO, LETICIA; PARALUPPI, ANNA LIVIA; PECORARO SANCHES, BEATRIZ CRISTINA; CECCATO-ANTONINI, SANDRA REGINA. Interaction of Saccharomyces cerevisiae-Lactobacillus fermentum-Dekkera bruxellensis and feedstock on fuel ethanol fermentation. ANTONIE VAN LEEUWENHOEK INTERNATIONAL JOURNAL OF GENERAL AND MOLECULAR MICROBIOLOGY, v. 111, n. 9, p. 1661-1672, SEP 2018. Citações Web of Science: 4.
CECCATO-ANTONINI, SANDRA REGINA. Conventional and nonconventional strategies for controlling bacterial contamination in fuel ethanol fermentations. WORLD JOURNAL OF MICROBIOLOGY & BIOTECHNOLOGY, v. 34, n. 6 JUN 2018. Citações Web of Science: 5.
REIS, VANDA R.; BASSI, ANA PAULA G.; CERRI, BIANCA C.; ALMEIDA, AMANDA R.; CARVALHO, ISIS G. B.; BASTOS, REINALDO G.; CECCATO-ANTONINI, SANDRA R. Effects of feedstock and co-culture of Lactobacillus fermentum and wild Saccharomyces cerevisiae strain during fuel ethanol fermentation by the industrial yeast strain PE-2. AMB EXPRESS, v. 8, FEB 16 2018. Citações Web of Science: 6.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.