Busca avançada
Ano de início
Entree

Quantificação do quimerismo após transplante alogênico de células tronco hematopoiéticas usando amplificação por PCR em tempo real de alelos null e polimorfismos inserção/deleção

Processo: 10/50105-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 30 de abril de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Carmino Antonio de Souza
Beneficiário:Carmino Antonio de Souza
Instituição-sede: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Recidiva  Quimerismo  Leucemia 

Resumo

Apesar dos melhores resultados obtidos com o transplante de células tronco hematopoiéticas ao longo dos anos, as altas taxas de recidiva da doença, que em pacientes com leucemias agudas pode variar de 30 a 70% dos casos, permanece um dos maiores desafios. O tratamento das recidivas têm melhores resultados se realizado precocemente. Estudos mostram que a detecção de quimera mista pós transplante é capaz de prever a recaída na maioria dos casos e pode permitir o tratamento adequado, com chance de sucesso maior do que se feito após a recaída hematológica da doença. A sensibilidade da técnica atualmente utilizada permite detectar quimera mista com tempo curto antes da recaída, o que não permite tempo hábil para o tratamento. O método de quimerismo pela técnica de reação em cadeia de polimerase (PCR) usando polimorfismos de inserção/deleção (indels) dialélicas foi testado e pôde prever a recaída em 88,2% dos pacientes de um grupo transplantado por leucemia aguda com a antecipação mediana de 58 dias. O objetivo deste estudo é avaliar a factibilidade e a reprodutibilidade desta técnica de quimerismo em pacientes transplantados no Hospital das Clínicas da UNICAMP. Serão realizadas análises de quimerismo pela técnica convencional de STR ("short tandem repeat"), utilizada habitualmente no serviço e, concomitantemente, será desenvolvida a técnica de quimerismo por PCR quantitativo em tempo real usando polimorfismos indels. Se os resultados publicados puderem ser reproduzidos em nossa população, a implementação desta técnica poderia auxiliar futuramente no diagnóstico e tratamento precoces da recidiva pós transplante de medula óssea. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.