Busca avançada
Ano de início
Entree

Registro paleoclimático em escala sub-milenar do último Interglacial sensu lato (~130 a 71 mil anos atrás), com base em foraminíferos e geoquímica, na porção Sudoeste do Atlântico Sul

Processo: 11/18873-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2012 - 31 de dezembro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Karen Badaraco Costa
Beneficiário:Karen Badaraco Costa
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:ana cláudia aoki santarosa ; Carla Nishizaki ; Felipe Antonio de Lima Toledo ; Rubens Cesar Lopes Figueira
Auxílios(s) vinculado(s):13/50224-2 - High resolution climate record for the last climatic cycle in the subtropical SW Atlantic, AP.R
Assunto(s):Estratigrafia  Isótopos de oxigênio  Foraminifera  Paleoclimatologia 

Resumo

Conhecer os processos e mecanismos que controlam o clima, sua dinâmica ao longo dos últimos ciclos climáticos, bem como os tempo de resposta aos diferentes sistemas e regiões, e a conexão que existe entre os mesmos, constituem uma meta e uma prioridade para o estado atual do conhecimento científico. Diante da preocupante situação que se esboça nos recentes resultados do painel intergovernamental de mudanças climáticas (IPCC, 2007), bem como o alarme social resultante, os estudos paleoclimáticos de alta resolução apresentam especial interesse. Os únicos arquivos disponíveis para a reprodução das condições ambientais nos oceanos profundos são as seqüências sedimentares. Os principais objetivos deste projeto são efetuar, de forma inédita para a região, estudos de alta resolução em um testemunho sedimentar recuperado no SW do Atlântico Sul para detecção de eventos milenares e sub-milenares ao longo do Último Interglacial (s.l.) e dos períodos imediatamente anteriores e posteriores a este empregando técnicas micropaleontológicas (analise quantitativa de foraminíferos planctônicos) e geoquímicas (isótopos de oxigênio em foraminíferos bentônicos, teor de carbonato, razão Ti/Ca e Fe/Ca) e comparar os padrões obtidos com os correspondentes do hemisfério N e S (e.g. testemunhos de gelo), com o objetivo de estimar a relação temporal existente, assim como a manifestação dos mesmos em diferentes latitudes e regiões. (AU)