Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da disfunção erétil em ratos submetidos ao alcoolismo e Diabetes mellitus por meio da função endotelial e da expressão dos receptores de endotelina e das isoformas de nos (eNOS e iNOS) e dos microRNAs-21, 27b, 155 e 199

Processo: 11/15167-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2012 - 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Silvio Tucci Junior
Beneficiário:Silvio Tucci Junior
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Antonio Carlos Pereira Martins ; Fermino Sanches Lizarte Neto ; Luis Fernando Tirapelli
Assunto(s):Disfunção erétil  Endotelinas  MicroRNAs  Isoformas de proteínas 

Resumo

Disfunção erétil é uma desordem médica comum e com impacto negativo na qualidade de vida e do próprio bem-estar. É estimado que em 1995 houveram mais de 152 milhões de homens no mundo com algum tipo de disfunção erétil. A projeção para 2025 demonstra uma prevalência de 322 milhões de homens com disfunção erétil. As doenças cardiovasculares incluindo doenças coronarianas, infarto, hipertensão arterial, hipercolesterolemia, doenças vasculares periféricas e também o diabetes mellitus estão estreitamente correlacionadas com a presença de disfunção sexual em homens. Visto que o alcoolismo e a diabetes mellitus são problemas de saúde, social e econômico em muitas sociedades e que até o momento, nenhum estudo foi realizado para averiguar os efeitos do alcoolismo associado ao diabetes mellitus sobre a reatividade do músculo liso do corpo cavernoso de ratos, tornam-se necessários maiores estudos destas patologias associados à disfunção erétil. Assim, os objetivos deste trabalho serão avaliar as respostas relaxantes e contráteis do corpo cavernoso isolado em ratos alcoolizados, diabéticos e diabéticos-alcoolizados; estudar a expressão protéica das isoformas (eNOS e iNOS) de NOS e da endotelina através da utilização da técnica de imunohistoquímica e avaliar através da expressão protéica e gênica pela técnica de qT-PCR as isoformas de NOS (iNOS e eNOS) e os receptores ETA e ETB e microRNAs-21, 27b,155 e 199. (AU)