Busca avançada
Ano de início
Entree

O potencial do transplante da membrana amniótica humana no tratamento da fibrose hepática induzida em ratos pela ligadura do ducto biliar

Processo: 11/11879-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Histologia
Pesquisador responsável:Luciana Barros Sant'Anna
Beneficiário:Luciana Barros Sant'Anna
Instituição-sede: Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IP&D). Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP). São José dos Campos , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):12/02411-5 - Estudo bioquímico do potencial da membrana amniótica humana na fibrose induzida em ratos pela ligadura do ducto biliar, BP.TT
Assunto(s):Cirrose hepática  Células-tronco  Imuno-histoquímica  Ducto colédoco  Regeneração hepática 

Resumo

A fibrose hepática e sua progressão para a cirrose são patologias difíceis de serem tratadas, freqüentemente associadas com morbidade e mortalidade elevadas. Atualmente o único tratamento para essas doenças é o transplante de fígado, o qual ainda apresenta limitações. A membrana amniótica (MA), parte interna das membranas fetais, que juntamente com a placenta são descartadas no momento do parto, pode representar uma alternativa para a reparação do tecido hepático danificado pela fibrose, devido às suas propriedades anti-inflamatórias, anti-fibróticas, assim como o potencial de multidiferenciação e imunomodulação de suas células. Recentemente, tem sido demonstrado que o transplante de células derivadas das membranas fetais reduz a fibrose pulmonar induzida em ratos tratados com bleomicina, e a aplicação de fragmentos de membrana amniótica sobre o coração isquêmico de ratos resulta na melhora da função cardíaca. Neste contexto, o objetivo deste trabalho será avaliar o potencial do transplante alógeno de membrana amniótica humana no tratamento da fibrose induzida em ratos pelo modelo experimental da ligadura do ducto biliar (LDB). Após 2 semanas do procedimento da ligadura do ducto biliar um fragmento de MA será aplicado sobre o fígado e os efeitos da MA sobre o processo fibrótico serão avaliados em diferentes períodos em comparação com o grupo controle. Decorridas, 2 e 4 semanas da aplicação da MA os animais de ambos os grupos LDB e LDB+MA, serão sacrificados para obtenção de amostras dos fígados, as quais serão submetidas às análises histológica, imunohistoquímica, e análise morfométrica de imagem, para a avaliação dos seguintes parâmetros: grau/severidade da fibrose, deposição de colágeno, reação ductular e área ocupada pelos miofibroblastos no tecido hepático. Os fatores reguladores do processo fibrogênico, tais como TGF-beta e as citocinas inflamatória IL-6 e anti-inflamatória IL-10 serão avaliados pela imunohistoquímica e ELISA, respectivamente. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Terapia com células-tronco da placenta reduz progressão da fibrose hepática