Busca avançada
Ano de início
Entree

Modularidade e suas consequências evolutivas

Processo: 11/14295-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Quantitativa
Pesquisador responsável:Gabriel Henrique Marroig Zambonato
Beneficiário:Gabriel Henrique Marroig Zambonato
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):14/26262-4 - Estimativas diretas de parâmetros evolutivos via análise de loci de traços quantitativos, BP.DR
14/12632-4 - Evolução morfológica e integração craniana em Filostomídeos, BP.PD
14/01160-4 - Modularidade e suas consequências evolutivas, BP.TT
+ mais bolsas vinculadas 14/01694-9 - Elaboração de um pacote em r para uso em pesquisa de genética quantitativa, BP.TT
13/07299-1 - Integração morfológica no crânio e evolução da morfologia craniana em Feliformia (Carnivora; Mammalia), BP.MS
13/06577-8 - Integração morfológica no crânio de Lemuriformes (Primates: Strepsirrhini), BP.MS
12/24937-9 - Evolução craniana dos Xenarthra (Mammalia): modularidade e suas consequências evolutivas na diversificação morfológica, BP.PD
12/20180-0 - Técnicas computacionais em genética quantitativa, BP.TT
12/14364-1 - Modularidade e suas consequências evolutivas, BP.TT
11/21674-4 - Implicações evolutivas da integração morfológica do crânio e mandíbula em Caniformia (Carnivora; Mammalia), BP.DR - menos bolsas vinculadas
Assunto(s):Evolução molecular  Mamíferos 

Resumo

A ideia de modularidade em Biologia refere-se a um padrão de conexão entre elementos, sejam eles genes, proteínas ou caracteres morfológicos. Esse padrão emerge quando existe alta conectividade entre alguns elementos, formando módulos, que por sua vez são mais frouxamente conectados a outros elementos, que formam outros módulos. Diversos tipos de módulos têm sido reconhecidos na Biologia, tais como: a) funcionais, formados por caracteres que atuam conjuntamente no desempenho de uma função; b) de desenvolvimento, que correspondem seja a partes de um embrião que são relativamente autônomas com respeito a formação de padrão e diferenciação, ou a uma cascata sinalizadora autônoma; c) de variação, compostos por caracteres que variam conjuntamente e são relativamente independentes de outros conjuntos de caracteres. Uma maneira de estudar a modularidade em organismos é investigar o padrão de covariâncias e correlações genéticas/fenotípicas entre seus caracteres, pois caracteres com função ou desenvolvimento comum tendem a formar complexos de variação relativamente independentes entre si, ou seja, módulos. Se existe organização modular em um organismo, é esperado um padrão em que haja correlações altas das características dentro dos módulos e correlações baixas das características entre módulos. Estudar a modularidade, ou a integração morfológica dos organismos, é fundamental para compreender a evolução de características complexas, já que a estrutura modular influencia a evolução multivariada: a relação entre os padrões modulares de covariação herdável e os padrões de seleção podem, por exemplo, restringir ou facilitar certos caminhos evolutivos para uma população. Neste projeto propomos analisar os padrões de modularidade e suas consequências evolutivas para a evolução fenotípica em mamíferos de forma comparativa, utilizando como pano de fundo as filogenias dos grupos estudados. Parte destas filogenias serão obtidas na literatura e outra parte produzida no escopo do próprio projeto. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pós-doutorado em biologia evolutiva com Bolsa da FAPESP 
Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio:
Teoria em movimento 
Teoria em construção