Busca avançada
Ano de início
Entree

Da dor aguda à crônica: um modelo comportamental e eletrofisiológico

Processo: 07/58136-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de maio de 2008 - 30 de abril de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Marucia Chacur
Beneficiário:Marucia Chacur
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):10/20026-6 - Uso do laser de baixa intensidade e os mecanismos celulares e moleculares no processo de reparação no sistema nervoso periférico, BP.DD
10/09856-7 - Participação das células gliais no ganglio da raiz dorsal de ratos em modelo de lesão muscular., BP.IC
10/01730-4 - Avaliação da célula da glia no gânglio da raiz posterior da medula espinal após indução de dor neuropática., BP.IC
+ mais bolsas vinculadas 08/10456-3 - Participação do óxido nítrico sintase e do fator de necrose tumoral alfa em modelo de dor crônica, BP.IC
08/51203-0 - Da dor aguda a cronica: um modelo comportamental e eletrofisiologico., BP.JP
07/07972-7 - Envolvimento das células da glia e TNFalfa em modelo de lesão muscular em ratos, BP.IC - menos bolsas vinculadas
Assunto(s):Eletrofisiologia  Medula espinhal  Dor 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Investindo...pesquisadores_504_341_341.pdf

Resumo

Nos últimos anos, meus estudos foram focados na área de dor, avaliando diferentes modelos experimentais de dor aguda, dor neuropática e por fim dor muscular. A busca por mecanismos moduladores destes tipos de dores vem sendo um alvo de grande estudo nos últimos anos, uma vez que a dor crônica é de difícil tratamento. A dor neuropática é ocasionada pela lesão e/ou compressão de nervos, sendo um dos sintomas, o desenvolvimento de alodinia e hiperalgesia. A alodinia é um fenômeno doloroso onde é relatada dor a partir de um estímulo táctil, ou seja, não doloroso, enquanto que hiperalgesia é decorrente da dor exacerbada em resposta a estímulos lesivo-nocivos. No passado, acreditava-se que a dor lombar tinha origem nas facetas articulares, no prolapso do disco vertebral ou nos núcleos pulposos. Atualmente, a dor muscular tem sido associada como possível causa da dor lombar. Diversos estudos têm sido realizados lesionando o músculo gastrocnêmio e o nervo ciático como modelo experimental em diferentes animais para melhor entendimento deste tipo de dor, uma vez que, a dor crônica é extremamente frequente em pacientes com dor lombar. Além disso, a importância das células gliais e dos mediadores por elas liberados, na medula espinhal, têm sido amplamente evidenciada em diversos processos nociceptivos. O nosso objetivo é observar possíveis alterações das células gliais (astrócitos e microglia), fator de necrose tumoral e óxido nítrico, correlacionando com modelos comportamentais nociceptivos após lesão aguda e crônica do músculo gastrocnêmio e nervo ciático, respectivamente. Ainda, estudar a atividade elétrica dos neurônios do corno dorsal da medula espinhal após tais lesões. A atividade elétrica dos neurônios do corno dorsal de ratos será avaliada por meio de ensaios de eletrofisiologia, in vivo, após inflamação aguda e crônica e a participação dos mediadores serão avaliados pela administração de bloqueadores ou inibidores farmacológicos para cada tipo de mediador. Tais investigações poderão ser uma abordagem totalmente inovadora para tentar entender porque, como e quais são os neurônios e mediadores envolvidos nestes modelos de dor aguda e crônica. Assim, os dados obtidos neste projeto poderão elucidar os mecanismos envolvidos na dor músculo-esquelética e neuropática, as quais são de difíceis tratamentos e de grande relevância clínica. (AU)