Busca avançada
Ano de início
Entree

Libertas entre sobrados: cotidiano e trabalho doméstico em São Paulo (1880-1900)

Processo: 11/51975-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de março de 2012 - 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Maria Odila Leite da Silva Dias
Beneficiário:Maria Odila Leite da Silva Dias
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Abolição da escravidão (1888)  Escravos  Libertação de escravos  Trabalho doméstico  Mulheres  Livros  Publicações de divulgação científica 

Resumo

A pesquisa acompanha as experiências sociais de mulheres escravas, libertas e descendentes livres, na cidade de São Paulo, durante o último quartel do século XIX, no processo social da transição do trabalho escravo para o livre. Pesquisamos livros de inscrições e de contratos de trabalho livre, exigências previstas pelas posturas municipais sobre "Criados e Amas de Leite", de 1886. O conjunto de regulamentos vinha formalizar deveres e obrigações para empregadores e trabalhadores livres, no contexto do crescimento urbano acelerado, do processo avançado da abolição e da política imigratória que conduziam para a capital imigrantes pobres e libertos destelados. Migrantes das regiões escravistas da província e daquelas que forneceram escravos para o tráfico interprovincial, africanas livres e nascidas na capital empregaram-se nas residências das elites e camadas médias urbanas. Vislumbramos as estratégias de sobrevivência das agentes do trabalho doméstico livres e pobres, que a polícia registrava nos anos finais do regime escravista. Reconstituímos o cotidiano dos variados trabalhos que desempenharam a cozinha, a lavagem e o engomado das roupas, a limpeza da casa, o cuidado e o aleitamento de crianças, transitando entre as ruas, as várzeas dos rios e o tenso ambiente das casas. Das entrelinhas dos textos emergem libertas dispostas a improvisar variadas formas de resistência e recusa à opressão cotidiana. (AU)