Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da doença óssea metabólica em pacientes com doenças inflamatórias intestinais

Processo: 11/23152-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2012 - 30 de abril de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Luiz Ernesto de Almeida Troncon
Beneficiário:Luiz Ernesto de Almeida Troncon
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Gastroenterologia  Doenças inflamatórias intestinais  Doenças ósseas metabólicas  Doença de Crohn  Osteoporose  Colite ulcerativa  Proctocolite  Densitometria óssea 

Resumo

As doenças inflamatórias intestinais (DIIs) trazem maior risco de osteopenia e osteoporose. A absorção intestinal do cálcio pode estar comprometida nestes paciente, contribuindo para menor densidade mineral óssea (DMO). A quantificação do teor de gordura na medula óssea vertebral por ressonância magnética com espectroscopia pode complementar a densitometria óssea e caracterizar melhor a resistência do osso, cuja redução aumenta o risco de fratura óssea, muitas vezes subclínica. O papel da absorção intestinal do cálcio na doença óssea metabólica nas DIIs é controversa, pela escassez de estudos em casuística mais representativa. A medida da concentração de gordura na medula óssea vertebral é um dos parâmetros da qualidade óssea. Existem evidências, em outras condições patológicas, mas ainda não nas DIIs, que esta variável permite inferir o grau de enfraquecimento ósseo, relacionando-a com a DMO. Este estudo visa determinar a frequência de fratura vertebral subclínica, quantificar o teor de gordura óssea medular vertebral e avaliar a absorção intestinal do cálcio nas DIIs. Em estudo observacional, tipo corte transversal, pacientes com doença de Crohn (DC) ou retocolite ulcerativa (RCU), além de pacientes com doenças digestivas não inflamatórias (controles doentes) e de pessoas controles saudáveis, serão submetidos à densitometria óssea com morfometria vertebral para avaliação da DMO e fratura vertebral subclínica. A ressonância magnética com espectroscopia da coluna lombar e o teste da absorção intestinal do cálcio, respectivamente para quantificação do teor de gordura óssea medular vertebral e avaliação da absorção intestinal do cálcio, serão realizados apenas nos pacientes com DC e RCU e nos controles saudáveis. Espera-se que os resultados contribuam para redimensionar a freqüência de doença óssea nas DII, bem como para melhor esclarecer sua patogênese. (AU)