Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção de pilares cerâmicos a base de zircônia para o uso como componentes de sistemas de implante dentário

Resumo

As aplicações dos materiais cerâmicos nas áreas biomédicas vêm apresentando contínuo crescimento nos últimos anos. A odontologia é, dentre estas áreas, aquela na qual as cerâmicas encontram a maior versatilidade e variedade de utilizações, e experimentam maiores taxas de crescimento. Particularmente no caso do Brasil, esse crescimento é ainda mais expressivo como reflexo do maior número de pacientes que vêm se submetendo a tratamentos odontológicos, como indicam todas as pesquisas do setor. Segundo o IBGE, por meio de sua última Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD) de 2008, o percentual da população que nunca consultou um dentista caiu de 19,5 % em 1998, para 11,7 % em 2008. Apesar desta significativa redução, o número ainda é considerado elevado, pois há aproximadamente 21,6 milhões de brasileiros que nunca tiveram atendimento odontológico. Este cenário, portanto justifica o contínuo aumento da demanda por materiais cerâmicos aplicados na odontologia, sendo plenamente justificável, além de necessário, o desenvolvimento de tecnologia nacional que permita a produção dos mesmos, aliando alta qualidade e preços acessíveis ao mercado interno e competitivos para outros mercados. O presente projeto tem o objetivo de confeccionar, em escala piloto, pilares cerâmicos, que são componentes dos sistemas de implante dentário e cujas características principais são as pequenas dimensões e estreita tolerância dimensional, a complexidade geométrica, a elevada resistência mecânica e durabilidade, aliadas a características estéticas. Pretende-se produzir pilares de diferentes geometrias em zircônia e em composto zircônia-alumina, conformando-os por prensagem isostática a frio, seguida por etapas de usinagem a verde e após tratamento térmico (pré-queima e/ou sinterização). Serão confeccionados os dispositivos e ferramental necessários para a conformação por prensagem isostática e para a usinagem destas peças, que serão caracterizadas quanto às dimensões, acabamento superficial, propriedades mecânicas, biocompatibilidade, estética e resistência ao envelhecimento. (AU)