Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de eficácia do manejo de contingências no tratamento ambulatorial padrão para indivíduos com diagnóstico de dependência por crack

Processo: 11/01469-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2012 - 30 de abril de 2015
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Ronaldo Laranjeira
Beneficiário:Ronaldo Laranjeira
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:André de Queiroz Constantino Miguel ; Claudio Jeronimo da Silva
Assunto(s):Drogas ilícitas  Cocaína crack  Assistência ambulatorial  Transtornos relacionados ao uso de substâncias 

Resumo

A dependência de crack tem sido reconhecida como um sério problema de Saúde Pública no Brasil. Os dados do II Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas revela que a prevalência do uso de crack (cocaína na forma fumada) na vida é de 0,7% e o uso pesado de crack ao redor de 0,2% de toda população brasileira. Hoje, a dependência de crack é causa mais prevalente de internação (voluntaria ou não) por uso de substâncias ilícitas (perde apenas para álcool). Embora números referente ao uso de crack pareçam pequenos, ela é, entre as drogas ilícitas, a substância cuja demanda por tratamento mais aumentou nos últimos 10 anos no Brasil. Quando comparado a usuários de cocaína, usuários de crack desenvolvem o diagnóstico de dependência muito mais rapidamente (media 5 meses após primeiro uso), mostram um padrão de consumo mais compulsivo, têm maior probabilidade de viver ou ter vivido na rua e engajar-se em atividades de caráter ilegal. Consequente a isto, o índice de mortalidade do usuário de crack é sete vezes maior que a do resto da população. A despeito de todos os esforços sendo feitos para o desenvolvimento de novos tratamentos farmacológicos para dependência de estimulantes (crack incluso), hoje não há nenhuma medicação que apresente uma robusta evidência de eficácia. Por essa razão a importância de se utilizar intervenções psicossociais com eficácia baseada em evidência no tratamento dessa população. Embora hoje, tratamentos ambulatoriais brasileiros estejam, cada vez mais, utilizando intervenções baseadas em evidência, tais como entrevista motivacional, terapia cognitivo comportamental, prevenção de recaída e treinamento de habilidades, essas intervenções apresentam resultados apenas modestos quando aplicados ao tratamento do crack. As maiores dificuldades encontradas no tratamento dessa população são conseguir engajar e manter esses pacientes em tratamento e conseguir alcançar períodos consistentes de abstinência por crack. O tratamento psicossocial conhecido como Manejo de Contingências (MC) é amplamente aplicado nos Estados Unidos e em alguns países europeus. Em resumo, a intervenção por MC oferece recompensas sistemáticas (na forma de fichas com certo valor monetário) contingente a emissão de comportamentos específicos (verificação objetiva de abstinência). Esses comportamentos específicos tendem a ser incompatíveis a comportamentos ligados ao consumo de substância (manter a abstinência é incompatível a fazer uso de crack). Assim, ao reforçar um comportamento saudável também se reduz a chance da emissão de um comportamento nocivo. Recentes estudos de revisão e meta-análise apresentam evidências robustas de que, o MC, aplicado sozinho ou em conjunto com outros tratamentos psicossociais e farmacológicos, é o tratamento mais eficaz em promover a abstinência continuada e a adesão ao tratamento. Estudos em MC possuem metodologia rigorosa, e mostram grande eficaz no tratamento para dependência de inúmeras substâncias (crack incluso) e para diversas populações. Embora tenha sido amplamente estudado nos Estados Unidos e em alguns países europeus, não existe, até hoje, nenhum ensaio clinico de MC aplicado ao tratamento de transtornos por uso de substâncias na população Brasileira. Poucos serviços especializados em álcool e drogas estão cientes da existência e eficácia desta intervenção, e até onde pudemos averiguar, nenhum serviço brasileiro aplica essas técnicas. O objetivo desse estudo será desenvolver o primeiro ensaio clínico randomizado controlado em MC para brasileiros com transtorno por uso de substâncias. Nesse caso, especificamente para indivíduos com diagnostico de dependência de crack. Caso os resultados obtidos por esse estudo se aproximarem daqueles alcançados em estudos internacionais, ele trará grande contribuição para os serviços de saúde brasileiros, demonstrando uma forma de tratamento aberto eficaz no tratamento da dependência por crack para essa população. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
El costo de la abstinencia 
O preço da abstinência 

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CONSTANTINO MIGUEL, ANDRE DE QUEIROZ; MADRUGA, CLARICE SANDI; SIMOES, VIVIANE; YAMAUCHI, RODOLFO; DA SILVA, CLAUDIO JERONIMO; MCDONELL, MICHAEL; MCPHERSON, STERLING; ROLL, JOHN; LARANJEIRA, RONALDO RAMOS; MARI, JAIR DE JESUS. Contingency management is effective in promoting abstinence and retention in treatment among crack cocaine users with a previous history of poor treatment response: a crossover trial. PSICOLOGIA-REFLEXAO E CRITICA, v. 32, JUL 15 2019. Citações Web of Science: 0.
MIGUEL, ANDRE Q. C.; MADRUGA, CLARICE S.; SIMOES, VIVIANE; YAMAUCHI, RODOLFO; DA SILVA, CLAUDIO J.; ABDALLA, RENATA R.; MCDONELL, MICHAEL; MCPHERSON, STERLING; ROLL, JOHN M.; MARI, JAIR J.; LARANJEIRA, RONALDO R. Crack cocaine users views regarding treatment with contingency management in Brazil. SUBSTANCE ABUSE TREATMENT PREVENTION AND POLICY, v. 13, FEB 12 2018. Citações Web of Science: 2.
MIGUEL, ANDRE Q. C.; MADRUGA, CLARICE S.; COGO-MOREIRA, HUGO; YAMAUCHI, RODOLFO; SIMOES, VIVIANE; RIBEIRO, ARIADNE; DA SILVA, CLAUDIO J.; FRUCI, ANDREW; MCDONELL, MICHAEL; MCPHERSON, STERLING; ROLL, JOHN M.; LARANJEIRA, RONALDO R. Contingency Management Targeting Abstinence Is Effective in Reducing Depressive and Anxiety Symptoms Among Crack Cocaine-Dependent Individuals. EXPERIMENTAL AND CLINICAL PSYCHOPHARMACOLOGY, v. 25, n. 6, p. 466-472, DEC 2017. Citações Web of Science: 3.
MIGUEL, ANDRE Q. C.; MADRUGA, CLARICE S.; COGO-MOREIRA, HUGO; YAMAUCHI, RODOLFO; SIMOES, VIVIANE; DA SILVA, CLAUDIO J.; MCPHERSON, STERLING; ROLL, JOHN M.; LARANJEIRA, RONALDO R. Contingency Management Is Effective in Promoting Abstinence and Retention in Treatment Among Crack Cocaine Users in Brazil: A Randomized Controlled Trial. PSYCHOLOGY OF ADDICTIVE BEHAVIORS, v. 30, n. 5, p. 536-543, AUG 2016. Citações Web of Science: 14.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.